http://imgs.sapo.pt/gfx/243289.gif
Nuno Matias é o novo rosto da AMEN em Portugal. A empresa foi adquirida pela Via Net.Works no início do ano passado e a casa mãe optou por estender a sua actividade a um conjunto de países europeus, onde até à data não tinha presença. Para Portugal os objectivos são agora de atingir a liderança do mercado em cerca de um ano, o que obrigará a empresa especializada no registo de domínios e serviços de hosting a captar 10 por cento do mercado ou 5 mil domínios.



Na manga a AMEN, que nos primeiros meses de vida será ainda apoiada pela Via, tem um processo de registo de domínios automatizado que permite a activação numa hora, incluído nos vários pacotes possíveis que aumentam de complexidade à medida das necessidades de cada cliente, indo desde o simples registo ao alojamento de páginas em servidor dedicado.



O homem que tentará pôr no terreno as metas definidas para Portugal tem licenciatura e mestrado em Gestão, iniciou a carreira em 1998 e passou pela Sonae Comércio e Indústria, Finantel, Staples Office e mais recentemente assumia funções de gestor de canal web na Via Networks.



Em conversa com o TeK, Nuno Matias detalha a importância das parcerias para a concretização dos objectivos de liderança que norteiam a empresa e as apostas em termos promocionais face ás várias hipóteses de domínios disponíveis no mercado. Note-se que a AMEN tinha já adiantado em conferência de imprensa, noticiada pelo TeK, que as parcerias poderiam vir a representar 50 por cento da facturação da empresa.



TeK:De que forma estão a trabalhar nas parcerias que querem estabelecer no mercado português?

Nuno Matias:

Estamos numa fase exploratória de contactos com ISPs e portais universitários para possíveis parcerias. Contamos vir a estabelecer parcerias com um ou vários Internet Service Providers nacionais, dependendo da vontade e disponibilidade que tenham para trabalhar connosco. O facto de ser uma ou mais parcerias depende, por outro lado das condições que estes potenciais parceiros pretendam oferecer-nos.
No caso de ser possível uma integração profunda com os serviços de determinado ISP em que nós assumíssemos uma função de parceiro por excelência no registo de domínios, aí consideramos a exclusividade.



TeK: Mas neste momento os contactos estão numa fase inicial?

N.M.:
Sim. Para já estamos numa fase exploratória de contactos cordiais e de apresentação dos nossos objectivos. Não existe em nenhum dos portais um serviço de registo de domínios automatizado, que permita ao cliente ir ao portal testar se o domínio pretendido está disponível, efectuar a compra e o pagamento e se entender publicar nesse momento a página online. É esta possibilidade que estamos a mostrar.



TeK: Nos vossos objectivos está também encetar parcerias com empresas de comércio electrónico e universidades. Que tipo de acordos pretendem estabelecer?

N.M.:
No caso dos portais universitários o nosso objectivo é atrair o máximo de atenção por parte dos estudantes para a AMEN, especialmente dos que estão ligados às novas tecnologias como designers, informáticos e outros que profissionalmente, ou mesmo em termos académicos, estejam ligados a esta área e possam utilizar a AMEN como parceiro. Por outro lado, queremos dirigir-nos a todos os outros estudantes, potenciais clientes da AMEN para registo de domínios a nível profissional ou académico, também.
O nosso objectivo é de facto massificar o serviço de registo de domínios e podemos realizar vários tipos de iniciativas para lá chegar. Podemos por exemplo associar-nos a empresas de comércio electrónico para oferecer domínios na compra de determinado equipamento informático ou electrónico e dessa forma ganharmos também maior presença junto de pequenas e médias empresas. Há várias hipóteses.



TeK: Quando contam ter os primeiros resultados das parcerias que estão no momento a negociar?

N.M:
No final deste mês deveremos ter já quatro a cinco parcerias negociadas e fechadas.



TeK: A AMEN já referiu que os esforços de promoção de domínios serão sobretudo dirigidos para àqueles em que o registo é mais fácil e menos dispendioso. Confirma a estratégia?

N.M.:
Sim é desse modo que pretendemos agir mas não vamos deixar de apostar nos domínios .com.pt e .pt, que ainda são os mais burocráticos e dispendiosos. Estamos com expectativas relativamente à evolução do processo de automatização do registo de domínios .com.pt, recentemente anunciado pela FCCN.
No que diz respeito ao .pt as regras são mais restritas e o processo não está automatizado. De qualquer modo penso que também aqui somos bastante competitivos, mesmo que esse não seja o principal alvo dos nossos esforços de promoção.



TeK: A AMEN tem serviços disponíveis noutros mercados que não sejam para já comercializáveis em Portugal?

N.M.:
Não. Todo o portfólio de serviços da AMEN está disponível em Portugal. Em breve vamos lançar, a nível global, uma solução de servidores dedicados a preços bastante competitivos.




Cristina Ferreira

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.