Por Francisco Jaime Quesado (*)

Faz nove  anos que morreu Diogo Vasconcelos. Uma morte inesperada, que a todos deixou perplexos. Diogo Vasconcelos foi sobretudo um exemplo. E os exemplos mais do que nunca importam em Portugal neste tempo incerto e complexo que estamos a viver com a pandemia. Diogo Vasconcelos soube como ninguém dar o seu melhor pelo projecto de um Portugal Inovador e Ambicioso e a honra dos que como eu fizeram parte do seu círculo de amigos mais próximos vai ficar para sempre na memória das coisas que vale sempre a pena recordar. Diogo Vasconcelos era uma pessoa com uma inteligência rara, uma visão única do futuro, que dedicou toda uma vida de conhecimento e sabedoria a interpretar a realidade dum país que amava e que sabia que não se conseguia encontrar com o futuro. Relembrar Diogo Vasconcelos é sinalizar uma mensagem de confiança para o futuro.

Diogo Vasconcelos defendia fortemente  uma cultura empreendedora para  Portugal. Diogo Vasconcelos percebeu de forma feliz que só com um choque de inovação e de competitividade seria possível à nossa economia e sociedade ganhar a batalha da relevância nos mercados internacionais. E com o sentido de inteligência que lhe era reconhecido deu o seu melhor em diferentes contextos – públicos e privados – pela defesa intransigente de uma agenda colaborativa de competência que nos permita sermos melhores num contexto de maior abertura e partilha da informação e do conhecimento.

Diogo Vasconcelos era um homem da Inovação. A falta de ambição e de um sentido de futuro, sem respeito pelos factores “tempo” e “qualidade” não era para Diogo Vasconcelos tolerável nos novos tempos globais. Segundo as suas sábias palavras, precisamos de novas ideias, de novas soluções, de projectar na sociedade o exercício da responsabilidade individual de forma aberta e participada. O Diogo era um homem onde a vontade de fazer coisas novas e diferentes corria à velocidade do som. Diogo Vasconcelos soube melhor do que ninguém interpretar o sentido do tempo e a importância de se ser diferente num mundo onde tudo é cada vez mais igual.

Diogo Vasconcelos era um homem da Sociedade do Conhecimento. A ausência da prática de uma cultura de cooperação tem-se revelado mortífera para a sobrevivência das organizações e também aqui  Diogo Vasconcelos foi sempre muito claro. Na Sociedade do Conhecimento sobrevive quem consegue ter escala e participar, com valor, nas grandes Redes de Decisão. Num país pequeno, as Empresas, as Universidades, os Centros de Competência Políticos têm que protagonizar uma lógica de cooperação positiva em competição  para evitar o desaparecimento. Por isso, importa potenciar e verdadeiramente reforçar uma capacidade  positiva, com dimensão estratégica capaz de se consolidar a médio prazo.

Diogo Vasconcelos defendia que cabia às empresas o papel central na criação de riqueza e promoção duma cultura sustentada de geração de valor, numa lógica de articulação permanente com Universidades, Centros I&D e outros atores relevantes. São por isso as empresas essenciais na tarefa de endogeneização de ativos de Capital Empreendedor com efeito social estruturante e a “leitura” da sua prática operativa deverá constituir um exercício de profunda exigência em termos de análise. Tendo sido as empresas um dos atores fortemente envolvidos nas dinâmicas de financiamento comunitário ao longo destes últimos trinta e cinco anos ressaltam indícios de défice de “capital empresarial” em muitos dos protagonistas envolvidos. Torna-se por isso imperativo apostar numa agenda de mudança.

Diogo Vasconcelos foi a voz mais genial e inovadora de uma geração. Uma geração que não se resigna à passividade e que sempre pactuou pela ambição da diferença. Conheci o Diogo em plena vida universitária e partilhámos durante todos estes anos experiências e cumplicidades únicas. A vida do Diogo foi uma vida rápida mas com sentido. Todos nós nos podemos orgulhar de ter feito parte dela. Tenho muito orgulho em ter sido amigo do Diogo e de ter no seu exemplo um referencial único que faz neste tempo de crise e de incerteza dar algum sentido à vida.

(*) Economista e Gestor – Especialista em Inovação e Competitividade

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.