As principais empresas e instituições de I&D a desenvolver atividades na área espacial reuniram-se hoje no workshop Space Systems and Innovation: Portugal in Europe 2020-2030, com uma especial ênfase nos projetos espaciais nacionais financiados através da ESA, assim como pelo Programa PT 2020 e por fundos nacionais disponibilizados pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) através do Programa Go Portugal – Global Science and Technology Partnerships Portugal.

Cerca de um ano e meio depois de ter assumido a presidência da Portugal Space, Chiara Manfletti, anunciou na sessão de abertura do evento a sua saída do cargo. A responsável foi distinguida pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior com a Medalha de Mérito Científico pelo seu trabalho na Agência Espacial Portuguesa. De momento, ainda não se conhece quem assumirá o cargo deixado por Chiara Manfletti a partir de meados de setembro.

O evento do Teatro Thalia, em Lisboa, contou ainda com a presença de Manuel Heitor, Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, de Eduardo Maldonado, Presidente da Agência Nacional de Inovação, José Paulo Esperança, Vice-Presidente da FCT, e ainda Miguel Bello, diretor do AIR Centre.

Portugal vai investir 250 milhões de euros na Agência Espacial Europeia até 2030
Portugal vai investir 250 milhões de euros na Agência Espacial Europeia até 2030
Ver artigo

Sob a mesa de discussão estiveram a evolução e as perspetivas de reforço da implementação da estratégia +Space in Portugal and Europe with ESA que foi adotada na última Conferência Ministerial da Agència Espacial Europeia, em 2019, assim como a sua articulação com fundos nacionais e europeus, públicos e privados.

Ao todo, os projetos em curso têm em vista o acelerar da atividade em sistemas espaciais nacionais em áreas como o desenvolvimento e operação da Atlantic Constellation, uma constelação de microssatélites em cooperação internacional, antes de 2025.

Entre os objetivos traçados para os próximos 10 anos estão também o desenvolvimento e operação da plataforma de Planeta Digital. Capaz de integrar múltiplas fontes de dados e extrair informações fazendo uso de tecnologias digitais avançadas, a plataforma será utilizada em áreas tradicionalmente não espaciais: desde a agricultura ao mapeamento urbano e do território.

Os planos contam ainda com o desenvolvimento de um ecossistema de comunicações 5G no Atlântico e regiões ultra-periféricas de Portugal, sem esquecer o Programa Internacional de Lançamento de Satélites dos Açores (Azores ISLP) e do Hub Espacial de Santa Maria.

Recorde-se que a estratégia Portugal Space 2030 tem em vista o aumento da faturação anual do sector espacial nacional, atingindo cerca de 400 milhões de euros anuais em 2030 e criando cerca de mil empregos qualificados ao longo dos próximos 10 anos.

Nota de redação: A notícia foi atualizada com informação acerca da saída de Chiara Manfletti da presidência da Portugal Space. (Última atualização: 15h52)

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.