O objetivo é garantir o financiamento desses projetos durante quatro anos, e para isso o programa tem reservados seis milhões de euros. A iniciativa está enquadrada na segunda fase do programa, que dá ênfase à formação avançada e à investigação com um potencial significativo de impacto empreendedor.

Os consórcios interessados em candidatar-se ao programa "Iniciativas Empreendedoras de Investigação" devem apresentar um plano estratégico global de desenvolvimento do trabalho, bem como planos específicos para as componentes de investigação, educação e inovação, com uma perspetiva de sustentabilidade para além do final do projeto.

O mote de valorização é a projeção à escala global, com integração em redes globais de conhecimento e de negócios, dando-se primazia também ao cariz interdisciplinar do projeto.

Segundo a CMU, cada proposta deve incluir um consórcio composto pelo menos por dois parceiros de instituições de investigação portuguesas e uma empresa, bem como uma equipa de investigadores da Carnegie Mellon University.

Depois de uma primeira fase de reuniões de divulgação nas universidades portuguesas em julho, em vão realizar-se uma nova série de ações de esclarecimento.

Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.