Todos os dias aparecem novas e boas aplicações para os sistemas operativos móveis, mas só de vez em quando é que se levanta um novo suprassumo que é de tal forma bem concebido que vai 'consumir' a alma a milhões de pessoas.

Um destes fenómenos - que já teve o seu pico de fama, mas que ainda vicia muitos utilizadores - chama-se Candy Crush Saga e é da autoria da King.com. O estúdio de desenvolvimento redesenhou o já muito explorado conceito de Bejeweled, mas parece ter feito o trabalho como poucos conseguiram fazer até hoje.
 

A prova disso é o negócio que está hoje, 3 de novembro, a fazer manchetes em todo o mundo: a King.com foi comprada pela Activision, por 5,9 mil milhões de dólares. Este é apenas mais um exemplo de uma tendência que vai muito além deste negócio específico. As empresas que fizeram carreira com jogos para a PlayStation, Xbox, Nintendo e PC estão agora a mudar o foco para o mobile.
 

Nintendo, Konami, Electronic Arts e Square Enix são apenas alguns exemplos de tecnológicas que já estão ou prometem em breve reforçar o seu posicionamento junto de utilizadores de smartphones e tablets.
 

O Candy Crush da King.com ainda consta no top das 50 aplicações mais descarregadas e no top 10 das mais rentáveis do sistema operativo Android - o mais popular do mundo, com 1,4 mil milhões de utilizadores. No mês passado a Wired escrevia que a empresa tinha 340 milhões de utilizadores ativos. E a mensagem da Activision parece clara: queremos alguém que sabe o que faz nesse segmento.
 

O Candy Crush já conseguiu faturar por dia cerca de 800 mil dólares, perto de 728 mil euros. Por dia, reforça-se. Foi tema do ano em 2014 e ajudou a empresa a atingir os 2,3 mil milhões de dólares de faturação nesse ano. 
 

A King tem ainda a particularidade de ter sido das poucas empresas de aplicações móveis e jogos sociais a apostar em publicidade relativa aos seus produtos na televisão portuguesa. Na antena nacional já passaram anúncios do Candy Crush Saga e do Rescue Pet Saga.
 

Mas vale a pena recordar que na King nem tudo é Candy Crush. Apesar de ser o título maior da empresa sueca, a verdade é que o estúdio tem conseguido multiplicar o mesmo conceito por diferentes jogos e o sucesso - ainda que menor - tem sido conseguido com a ajuda de váarias aventuras.

Pet Rescue Saga
Este jogo acaba por ter muito de inspiração do título principal da empresa, sendo uma tentativa de replicar o Candy Crush em temas de jogo diferentes.

Em cenários onde os blocos às cores se vão acumulando, o utilizador tem que juntar no mínimo dois de cada cor para ir abrindo caminho aos animais que estão presos entre os blocos. O objetivo do jogo é salvar a bicharada e para isso o jogador pode contar com itens especiais, que eliminam todos os elementos de uma cor por exemplo.

Bubble Witch Saga
Os cérebros por trás da King são especialistas na criação de sagas. Esta representa uma tentativa diferenciadora de captar a atenção dos jogadores.

Inspirado no sistema de jogo do Puzzle Bubble, o jogador tem bolas a sair de um caldeirão de bruxas, e essas bolas têm que corresponder com outras duas que estão situadas no 'teto' do cenário. Depois é tentar eliminar todas as bolas no menor número de jogadas possível e conquistar a maior pontuação.

Papa Pear Saga - um dos senhores que se seguiu
Este jogo teve possivelmente uma das tarefas mais complicadas da história das aplicações móveis - conseguir suceder em qualidade e em vício ao Candy Crush. A mesma tarefa foi atribuída aos dois títulos já referidos, mas os "doces" continuaram e vão continuar nos tops de preferências.

Desta vez a King deixou o estilo Bejeweled de lado e apostou no estilo pachinko, que muitos podem ter experimentado no jogo Peggle da PopCap Games.

O jogador tem "cestos" na parte inferior do ecrã, onde é preciso introduzir bolas. O número de bolas é limitado e pelo meio existem elementos no ecrã que podem ser destruídos para trabalhar a pontuação. Em cada nível os jogadores podem conquistar até três estrelas.

Farm Heroes Saga

É mais uma 'saga' no currículo da King.com. O jogador tem de ir percorrendo uma quinta ao mesmo tempo que vai salvando os 'cultivinhos'. Para isso tem de juntar aqueles que são da mesma cor e tem de garantir determinadas quotas: por exemplo, tem de apanhar doze elementos azuis, oito roxos e quatro vermelhos.

A mecânica acaba por ser inspirada no Candy Crush, mas a forma como o jogo se desenrola é totalmente diferente. Tanto pela forma como os próprios desafios são construídos.

Paradise Bay

Para o caso de ter saudades do Farmville, pode experimentar o Paradise Bay. O jogo acontece num cenário de ilha paradisíaca e coloca o utilizador na posição de gestor, isto é, deve fazer prosperar a ilha, os seus habitantes e se possível, descobrir outras localizações.

É um título que marca uma viragem acentuada na forma como a King.com faz jogos, mas mostra também a necessidade que a empresa teve em se adaptar, para compensar um menor volume de receitas que os jogos Candy Crush vão apresentando à medida que vão ficando mais envelhecidos.

 

O mais interessante será ver daqui para a frente a forma como a King e a Activision vão trabalhar em conjunto. Aquela que é uma das maiores editoras de videojogos do mundo tem no seu cardápio franquias como Call of Duty, Skylanders, Transformers, Spider Man, Tony Hawk e mais recentemente o 'colosso' Destiny.

Nota de redação: artigo originalmente publicado a 3 de outubro de 2013 e atualizado para refletir a situação atual da empresa King.com

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.