É com base nestes indicadores que o TEK lhe apresenta cinco propostas, com jogabilidades e géneros diferentes, de alguns dos melhores jogos de sempre para dispositivos Android e iOS. World of Go, Device 6 ou A Good Snowman Is Hard To Build  dizem-lhe alguma coisa?

 

World of Goo

Originalmente lançado para smartphones iOS em 2011, World of Goo é um dos jogos mais premiados de sempre, sendo o título para smartphones mais bem pontuado segundo o site Metacritic.

O objetivo é conduzir as pequenas bolas Goo até um tubo que as irá sugar e permitir assim progredir para o nível seguinte. Normalmente esse tubo encontra-se numa zona de difícil acesso no cenário, obrigando o jogador a utilizar as Goo para construir estruturas, como pontes ou torres, de forma a que estas consigam lá chegar.

É ainda necessário ter em conta algumas condições, como o número de Goos existente em cada nível ser limitado e existir um número mínimo de bolas que têm de ser sugadas. Mas não existe qualquer tipo de limite temporal, por isso o jogador pode demorar o tempo que quiser e fazer as experiências que achar melhor.

Adicionalmente, é preciso ter em conta as leis da Física ao construir as estruturas, tendo em atenção o peso e robustez das mesmas para que não acabem por cair e fazer perder as Goos. Conforme se vai avançando novas espécies de bolas serão encontradas com habilidades únicas que introduzem novidades à jogabilidade. O jogo contém dezenas de desafios e muitos outros níveis escondidos, tornando toda a experiência bastante longa mas divertida devido à constante introdução de novos elementos e ao incremento do nível de dificuldade.

World of Goo é decididamente um daqueles jogos que não deve deixar de experimentar, principalmente se for um jogador que gosta de puzzles desafiantes. Está disponível por cerca de €5 para dispositivos Android e iOS.

Super Stickman Golf 3 - Um jogo de golfe com vários quebra-cabeças

Super Stickman Golf está de regresso com novos campos, modos de jogo e bónus, além de outras divertidas novidades. O jogo é uma mistura de golfe com quebra-cabeças, dividido ao longo de 20 campos, cada qual com nove buracos, todos muito bem concebidos para oferecer um excelente equilíbrio entre diversão e desafio.

O objetivo é colocar a bola no buraco no menor número de tacadas possível. É indicado o número de tacadas para obter uma determinada pontuação e assim ganhar uma estrela de bronze, prata ou ouro. Existe ainda o desafio de conseguir colocar a bola com um número de tacadas abaixo do par, mas sem utilizar nenhum dos diversos power-ups existentes.

Estes “extras” serão ajudas indispensáveis para se conseguir ultrapassar os muitos obstáculos que povoam os cenários. De início o jogador tem apenas que lidar com campos de areia e zonas com água, mas com o progredir no jogo começam a surgir outros obstáculos mais complicados de ultrapassar, como paredes que colam a bola, portais e zonas de anti gravidade. Os diversos desafios obrigam-no a pensar antes de jogar, tendo que ter em especial atenção a força e a direção a dar à bola para que esta chegue ao local pretendido.

Esta versão traz ainda como grande novidade a possibilidade de adicionar um efeito de rotação à bola. Isto acontece quando a bola está no ar, utilizando o botão correspondente que aparece no lugar do botão de disparo. Existem vários buracos onde será efetivamente necessário utilizar este efeito para ser bem sucedido. É uma implementação intuitiva e interessante, e embora pareça tornar o jogo mais fácil, o nível de dificuldade dos diversos buracos faz equilibrar a balança.

Além das 35 personagens únicas à escolha, existem ainda mais de 65 chapéus cuja finalidade é dar habilidades especiais ao golfista. Estes chapéus podem ser comprados ou são ganhos em pacotes de cartas ao completar várias tarefas. A par do divertido e desafiante modo individual, existem ainda modos multijogador por turnos, onde se escolhe um buraco e joga um jogador de cada vez, ou em tempo real, para desafios até quatro jogadores, onde o número de tacadas é simplesmente retirado da equação pois ganha quem conseguir colocar primeiro a bola no buraco.

Super Stickman Golf 3 é muito divertido e desafiante, introduzindo algumas novidades em relação aos seus antecessores. Está disponível gratuitamente para Android e iOS.

A Good Snowman Is Hard To Build - Fazer o boneco de neve perfeito. Várias vezes

Onde há neve o que é que dá vontade de fazer? Um boneco-de-neve, claro. É esta a premissa deste jogo que, como o nome indica, não aparenta ser coisa fácil, pelo menos um que fique mesmo bem feito. Para o efeito, é necessário assumir o papel de uma estranha criatura toda preta que tem de mover diferentes bolas de neve para criar o dito boneco.

Ora, para criar um bom boneco-de-neve é preciso colocar três bolas de neve de diferentes tamanhos, grande, média e pequena, pela ordem correta. O personagem terá que deambular por diversos jardins nos quais existem as bolas de neve. Por vezes estas já têm o tamanho correto mas em outros casos não. Para as fazer aumentar de tamanho é preciso deslizá-las em cima da neve, o que por um lado pode ser preciso fazer para completar o nível mas por outro pode tornar-se numa dificuldade adicional pois o resultado pode ser bolas com tamanhos incorretos, impossibilitando a criação do boneco. Ao criar o boneco com sucesso, será possível progredir para o próximo jardim mas não sem antes dar um grande abraço no boneco-de-neve.

Em qualquer momento é possível desfazer o último movimento realizado ou recomeçar o nível de novo. O jogo não contem nenhum tipo de limitador ou temporizador, por isso o jogador tem todo o tempo do mundo para pensar e realizar as suas jogadas. De notar que as bolas apenas podem ser empurradas, nunca puxadas, o que faz todo o sentido. A Good Snowman Is Hard To Build é um quebra-cabeças muito divertido e desafiante, com um incremental nível de dificuldade que coloca o jogador a ter que construir várias bonecos-de-neve num mesmo jardim utilizando seis ou mesmo nove bolas de neve para o efeito.

Este jogo está disponível para Android e iOS e custa cerca de €5.

Device 6

Device 6 é um quebra-cabeças surreal baseado em texto que transporta o jogador para um filme de ficção científica da década de 60.

O jogo depende do texto para conduzir os jogadores através de uma viagem fantástica e perturbadora de uma mulher que está à procura de respostas, com resultados devastadores. No entanto, dizer que Device 6 é apenas um jogo baseado em texto é limitativo. As frases que aparecem no ecrã formam visualmente a narrativa de Anna, uma rapariga que acorda num castelo misterioso numa ilha deserta. Anna tem que juntar pedaços da sua memória perdida e ultrapassar uma série de bizarros testes para descobrir a verdade do castelo e a identidade de um homem com um chapéu-coco que a persegue ao longo do jogo.

Enquanto conduzem Anna, os jogadores literalmente percorrem os seis capítulos do texto com ela. À medida que interagem com os textos, fragmentos da novela desdobram-se em torno de quebra-cabeças e imagens para produzir uma das mais originais experiências de contar histórias do ano. A componente áudio do jogo é também excelente, com os compositores Daniel Olsen e Jonathan Eng a criarem elementos de sons assustadores e peculiares, incluindo uma versão de Ride of the Valkyries de Wagner, assim como cativantes músicas inspiradas nos anos 60. Mesmo com sons simples, como o bater de uma porta ou o descer de umas escadas, a tensão e suspense do jogo é intensa até o final de cada capítulo. O som é tão importante quanto o visual, e uma combinação dos dois deixa os jogadores a suster a respiração na expectativa do que acontece a seguir.

O aspecto mais peculiar de Device 6 é a forma como o jogador interage com o equipamento. A história do jogo leva-nos a interagir de outras formas, para além de tocar no ecrã, sendo necessário rodar o equipamento e visualizar o que aparece de diversos ângulos. É ainda recomendado que sejam tomadas algumas notas de códigos e das pistas recolhidas, caso contrário pode-se ficar completamente perdidos. Device 6 não é difícil, podendo ser terminado em poucas horas. No entanto, é muito divertido e um dos poucos jogos que utiliza os smartphones de várias maneiras na sua forma de jogar. Uma vez que o jogo está somente em Inglês e a compreensão dos textos é essencial, é necessário o domínio da língua de Shakespeare para a progressão no jogo.

Device 6 está disponível por €4,49 para dispositivos iOS.

Contre Jour

É um dos jogos mais bem sucedidos para smartphones, diferenciando-se pelo grafismo, excelente música e uma jogabilidade simples mas muito divertida e desafiante que, ao contrário do habitual, o jogador terá que manusear o ambiente e não o personagem.

O jogador controla Petit, um ser redondo que consiste principalmente de apenas um olho, tendo como objetivo fazer com que chegue ao outro lado do cenário. Na verdade Petit não é controlado diretamente mas sim o terreno por onde ele se desloca. Petit tem ainda numerosos tentáculos espalhados em cada nível que podem ser utilizados de forma a fazê-lo balançar e assim atingir os locais que se pretende chegar.

Cada nível apresenta três tipos de pontuação, representado pelas luzes azuis e brilhantes, as quais devem ser todas apanhadas para conseguir uma pontuação perfeita. Mas o objetivo final é garantir que Petit atinge uma saída indeterminada sem cair ou ser esmagado por nenhuma das muitas armadilhas. O principal desafio é descobrir caminhos e rotas através dos níveis. Alguns tentáculos são como cordas elásticas que farão Petit saltar de uma zona para outra. A paisagem também tem um papel importante no jogo com a criação de um caminho que permita que o personagem principal salte sobre obstáculos. Essencialmente, é um jogo de tentativa e erro, que premia aqueles que são mais persistentes.

O jogo é composto por 60 níveis que variam de fácil para extremamente difícil, mas todos eles têm uma coisa em comum, são muito divertidos. Contre Jour é claramente um jogo a experimentar, principalmente pelos fãs de jogos de quebra-cabeças. Está disponível por €1,99 para dispositivos Android e iOS.