Desde a sua chegada a Portugal, em 2014, que a Uber enfrentou uma oposição acérrima por parte do sector dos táxis que acusam o serviço digital de transporte individual de concorrência ilegal.

Agora, em vésperas da votação pelos deputados da Comissão de Economia, o diretor-geral da Uber para Portugal e Espanha, Rui Bento, em entrevista ao DN, mostra-se confiante num acordo alargado entre os vários grupos parlamentares para que a nova lei entre em vigor rapidamente.

Num processo que se arrasta há mais de um ano, amanhã serão votadas na especialidade as três propostas para o novo regime jurídico do transporte de passageiros em automóveis ligeiros descaracterizados e que partiram do Governo, do Bloco de Esquerda e do PSD.

Desta reunião, sairá a redação final da lei para ser submetida à aprovação na generalidade, a qual poderá acontecer a 2 de março. Depois da sua atividade ser considerada ilegal pelo Tribunal de Relação de Lisboa, em dezembro do ano passado, a Uber poderá ver brevemente o seu funcionamento regulamentado.

Rui Bento acredita numa votação que acabará por ser positiva tanto para as empresas como para a Uber. “Espero que se chegue a essa conclusão de um quadro funcional para as cidades portuguesas”.

O responsável também se mostra otimista na relação com os taxistas, afirmando há “uma convivência cada vez mais sã, conforme as pessoas vêem a Uber como uma presença natural nas cidades”.

Um estudo da Deloitte revelou o impacto económico da Uber em Lisboa, contribuindo com cerca de 2% de crescimento do PIB e criando 500 empresas parceiras, além de uma melhoria na mobilidade, com 41% dos utilizadores a substituir carro próprio por Uber e 90 mil turistas/mês transportados.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.