Na edição de 2020 do WWDC, a Apple deu a conhecer que as novas versões do iOS, iPadOS e tvOS vão ter funcionalidades de segurança e privacidade reforçadas. No entanto, a empresa da maçã revela que as proteções contra a monitorização feita por aplicações ou websites só vão chegar em 2021.

Embora planeasse a chegada da funcionalidade com o lançamento das novas versões dos seus sistemas operativos, a Apple explica que quer dar mais tempo aos developers para fazerem as alterações necessárias às aplicações ou websites de forma a que possam alertar os utilizadores para a possibilidade de estarem a ser monitorizados.

“Acreditamos que a tecnologia deve proteger a privacidade dos utilizadores e isso significa dar-lhes ferramentas que ajudarão a perceber quais as apps e websites que estão a partilhar os seus dados com outras empresas para fins publicitários”, afirma a Apple num comunicado à imprensa internacional.

Assim, nas novas versões do iOS e iPadOS, as aplicações terão de pedir permissões adicionais, por meio de um aviso pop-up, para poderem rastrear os utilizadores e enviar as informações recolhidas para terceiros.

WWDC 2020

Recorde-se que, no início de julho, um grupo de 16 associações europeias de publicidade digital lideradas pelo Interactive Advertising Bureau Europe (IAB) assinaram uma carta onde demonstram o seu descontentamento em relação aos novos planos da Apple para reforçar a privacidade dos utilizadores.

Novas regras de rastreamento da Apple chumbadas pelas associações europeias de publicidade
Novas regras de rastreamento da Apple chumbadas pelas associações europeias de publicidade
Ver artigo

O grupo, que conta com associações apoiadas pelo Facebook ou pela Alphabet, afirma que o sistema que a empresa da maçã não é compatível com os requerimentos do Regulamento Geral de Proteção de Dados no que respeita a obtenção do consentimento dos utilizadores para a apresentação de anúncios personalizados.

Uma vez que as aplicações terão de pedir permissão duas vezes, o risco de os utilizadores recusarem é maior. A carta endereçada a Tim Cook, CEO da Apple, explica ainda que sistema proposto não é totalmente personalizável pelos developers e não é interoperável com os padrões do mercado de publicidade digital. A estratégia da Apple poderá trazer problemas a nível de concorrência ao dar vantagem aos serviços de publicidade da empresa.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.