O Coronavírus (COVID-19) já infetou mais de 98 mil pessoas e provocou, até à data, 3.300 mortos. O surto está a ter um forte impacto no dia-a-dia da população mundial, em especial, em países como a China, o Japão, a Coreia-do-Sul, a Itália e o Irão. São também vários os setores da economia global a sofrer as consequências da rápida propagação do vírus SARS-CoV-2, e o da tecnologia não é uma exceção.

Na China estão a ser postas em prática diversas medidas que recorrem a meios mais tecnológicos para ajudar a travar a disseminação do vírus. Os robots estão a ser utilizados, por exemplo, para desinfetar as ruas ou realizar funções que, devido ao elevado nível de proximidade com outras pessoas, se tornaram demasiado arriscadas para certas profissões.

Clique na galeria para conhecer como os robots estão a ajudar os humanos na China

A desinfeção de espaços públicos tornou-se numa prática fundamental para prevenir a propagação do COVID-19. Os robots permitem cobrir uma área muito maior e reduzem o risco de os funcionários, a cargo da limpeza, estarem expostos ao vírus. Além disso, estão também a ser utilizados autómatos, que dispensam desinfetante em gel, ao público, nas ruas de Xangai.

DJI está a usar drones para ajudar a combater o Coronavírus na China
DJI está a usar drones para ajudar a combater o Coronavírus na China
Ver artigo

A DJI, por exemplo, decidiu colocar os seus drones ao serviço da população numa iniciativa de 1,5 milhões de dólares. A fabricante chinesa já pulverizou mais de 3 milhões de metros quadrados na região de Shenzhen. A empresa está a incentivar a prática noutras províncias do país, em especial em zonas residenciais, hospitais, fábricas e estações de tratamento de resíduos. Além disso, são vários os grupos de voluntários que estão a dinamizar ações de desinfeção em regiões como Xangai.

Os robots tornaram-se também essenciais para ajudar os médicos e enfermeiros chineses a detetar casos de infeção mais rapidamente. Os autómatos de empresas, como por exemplo a Cheetah Mobile Inc, são utilizados para medir a temperatura dos pacientes, guiá-los dentro dos hospitais, entregar medicamentos e até ajudar a realizar diagnósticos primários.

O Foodom, uma unidade robótica de preparação de comida, está a ser utilizado para ajudar a alimentar o staff de médicos e enfermeiros num centro de quarentena em Wuhan, avança o South China Morning Post. Doado pela Country Garden Holdings, uma das maiores imobiliárias da China, o autómato consegue fazer 120 doses de comida em apenas uma hora.

As empresas chinesas de e-commerce estão a utilizar robots para minimizar os riscos de contágio em relação aos colaboradores que entregam encomendas. A Meituan Dianping, por exemplo, lançou um serviço de entrega ao domicílio com veículos autónomos para tratar das encomendas no distrito de Shunyi em Pequim. Ainda na capital chinesa, a JD.com desenvolveu uma tecnologia semelhante que leva medicamentos e dispositivos médicos a um hospital local e mercearias à comunidade.

Este mês estamos a celebrar os 20 anos do SAPO TeK. Saiba mais em https://tek.sapo.pt/tag/SAPOTEK20anos

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.