O James Webb continua a sua viagem pelo espaço, ajudando os cientistas a compreender melhor alguns dos fenómenos espaciais e captar algumas das mais belas paisagens do cosmos. Mas se o satélite é como um veículo, são os seus instrumentos que permitem obter dados e imagens, essenciais para espreitar o “infinito” e responder às grandes questões.

A ESA reforça o contributo do instrumento NIRSpec, essencial para abrir mais de 200 janelas para o passado do universo e ajudar na compreensão da sua origem e como as galáxias se formam. Essas respostas estão enterradas bem longe no universo e os telescópios já conseguem captar até 200 milhões de anos após o Big Bang, que agora o James Webb está a ajudar a descortinar, através dos seus instrumentos.

Veja na galeria algumas das descobertas possíveis pelo NIRSpec:

O europeu NIRSpec foi construído para ajudar a compreender a formação das primeiras estrelas e galáxias, segundo Pierre Ferruit, ex-cientista da ESA ligada ao projeto do satélite. O seu nome é a abreviatura de Near-InfraRed Spectrograph e tem como missão dividir a luz infravermelha recolhida pelo James Webb em ondas para formar um espectro. Este mede a variação da intensidade do brilho entre diferentes ondas para um objeto no espaço e dessa forma, os astrónomos podem extrair boa informação sobre as suas características físicas e a composição química.

Supertelescópio identifica atmosfera de exoplaneta com dióxido de carbono
Supertelescópio identifica atmosfera de exoplaneta com dióxido de carbono
Ver artigo

A ESA diz que antes do James Webb e do instrumento NIRSpec era impossível fazer estas leituras às galáxias mais distantes e agora é como se uma grande avenida de informação tivesse sido aberta para os cientistas percorrem para estudar a origem dos objetos celestes. Os dados vão permitir aos astrónomos mapear a evolução das galáxias, desde os primeiros estágios do cosmos nos objetos que vemos atualmente à nossa volta.

O instrumento é considerado minimalista, o que permite manter o trabalho simples e fazer algo que ainda não se tinha conseguido: registar o espectro de vários objetos ao mesmo tempo. E em comparação ao Hubble que demorava dias a enviar as imagens para a Terra, o espelho de 6,5 metros do James Webb garante a obtenção de imagens em algumas horas.

E o NIRSpec pode gravar o respetivo espectro dos milhares de novas descobertas registadas, a maioria de galáxias jovens, a milhares de milhões de distância. O instrumento consegue captar até 200 objetos em simultâneo. Isso deve-se aos milhares de pequenos obturadores autónomos, que podem ser controlados individualmente para abrirem e fecharem quando necessário. Dessa forma consegue-se controlar o que se quer ver, sejam objetos mais perto ou afastados, deixando passar a luz dos que estão a ser analisados.

Veja a Tarântula cósmica captada pelo James Webb:

E ao analisar essa luz, os astrónomos conseguem identificar os químicos presentes na atmosfera de planetas e extrair outras informações das suas condições físicas. Algo que não era possível antes de existir o NIRSpec, refere a ESA.

Tarântula cósmica é o mais recente “alvo” do telescópio espacial James Webb
Tarântula cósmica é o mais recente “alvo” do telescópio espacial James Webb
Ver artigo

E se dúvidas restassem da eficácia dos instrumentos do James Webb, a ESA partilha esporadicamente imagens fantásticas do universo, captadas pelo vigia espacial. A Tarântula cósmica é um dos exemplos, composta por milhares de jovens estrelas que habitam a região de formação estelar 30 Doradus agora vista pelo “olho clínico” do telescópio espacial James Webbcomo nunca havia sido feito até à data. Também ajudou a identificar a atmosfera com dióxido de carbono do exoplaneta WASP-39 b, um planeta gigante que orbita uma estrela semelhante ao nosso Sol, a 700 anos-luz de distância.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.