É mais um projeto inovador no campo da exploração espacial. O LightSail, nome dos protótipos e do futuro satélite, é um veículo espacial que move-se com a ajuda da luz solar. E de acordo com a perspetiva da equipa de investigadores que está a trabalhar no projeto, isto pode significar uma fonte quase inesgotável de energia.

O segredo está na vela de grandes proporções que o LightSail tem na sua estrutura. Apesar de o corpo principal ter dimensões reduzidas, o seu tamanho total aumentará exponencialmente depois de as velas serem "desfraldadas".

Estas velas são construídas num material específico que permite usar o impacto dos fotões da luz solar para gerar movimento. E os cientistas estão convencidos que ao final de algum tempo, e com a ajuda do vácuo no espaço, os impactos sucessivos serão suficientes para gerar uma velocidade aceitável no equipamento de exploração.

E como os raios solares chegam a uma boa parte do Sistema Solar, é de esperar que o equipamento continuasse o seu percurso até encontrar um "novo Sol", uma nova fonte de energia. Daí o pensamento de fonte quase inesgotável de energia.

Quando a luz solar não for suficiente, então será possível recorrer a lasers para o fazer. Mas a ideia por trás deste conceito é de que as velas solares possam ser para já a primeira forma de exploração interestelar.

O primeiro protótipo vai para o espaço já em maio, a bordo do foguetão Atlas V. Nesta primeira fase a equipa só quer testar o sistema de desdobramento das velas, pelo que é esperado que o protótipo acabe por ficar destruído ao fim de alguns dias, pois também não estará a uma altitude suficiente para escapar aos ventos terrestres.

No próximo ano será enviado um novo protótipo, a bordo de uma missão da SpaceX, que já vai atingir as 450 milhas de altitude, cerca de 725 quilómetros. Aí as condições de teste serão mais "reais" e o conceito poderá ser melhor validade ou criticado.

Em tempos a Agência Espacial Norte-Americana (NASA) chegou a equacionar esta tipologia de nave para uma das suas missões espaciais, mas acabou por desistir pois na altura considerou-se que seria um risco demasiado alto - fala-se da década de 1970.

O projeto LightSail é totalmente financiado por investidores privados e está a ser liderado pela The Planetary Association, escreve o The New York Times. Os dois protótipos já com missões calendarizadas tiveram um custo total de quatro milhões de dólares.


Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.