Na Ásia os purificadores de ar fazem parte quase obrigatória do “mobiliário” das casas, sobretudo em cidades com elevados níveis de poluição atmosférica, como Pequim ou Nova Deli. Por isso esta é uma área da eletrónica de consumo em crescimento, com muitas propostas de modelos e dimensões diferentes e modelos portáteis que tivemos oportunidade de testar já na CES e na IFA.

Na Europa a tendência está a crescer e a Dyson acaba de colocar no mercado português um novo modelo que junta o conceito de purificação do ar ao humidificador, e que também serve de ventilador para arrefecer o ambiente. O Dyson Pure Humidify+Cool é uma máquina três em um para usar durante todo o ano e resulta da combinação de conhecimento da marca na área da bioquímica com a engenharia aerodinâmica, com um design que não se torna demasiado intrusivo.

“Globalmente, a consciência da qualidade do ar externo está a aumentar. A Organização Mundial da Saúde (OMS) e organizações locais estão ativamente a alertar para a deterioração da qualidade do ar, bem como os impactos na saúde”, adiantou ao SAPO TEK Maria Perez, engenheira desenhadora industrial da Dyson que esteve envolvida no projeto de desenvolvimento, que defende que está a ser feito pouco em relação à poluição do ar no interior das casas, e que os estudos feitos no Reino Unido mostram que é ai que se centram os principais problemas.

“A poluição do ar não é apenas um problema externo - na verdade, uma casa média pode ser até cinco vezes mais poluída do que o ar externo”, explica Maria Perez.

O facto das famílias passarem agora mais tempo em casa, face aos condicionamentos impostos pela pandemia da COVID-19 em todo o mundo, faz elevar ainda mais o alerta, mas Maria Perez admite que não há provas de que estes equipamentos possam eliminar o novo coronavírus. “Podemos eliminar partículas pequenas, como vírus, mas não conseguimos garantir a 100% que consegue eliminar o coronavírus, não há testes suficientes”, sublinha.

Mesmo assim, a melhoria da qualidade do ar tem efeitos benéficos na qualidade do ar que têm impactos positivos em utilizadores com alergias ou asma. “Removemos alergénicos do ambiente, por isso se melhoramos a qualidade do ar vai ser melhor para quem tem alergia”, afirma, acrescentando que “também removemos gases, dióxido de carbono e outros poluentes”.

Como funciona o Dyson Pure Humidify+Cool?

A forma como o equipamento foi desenhado pretende lutar contra as várias formas de poluição e contaminação dentro de casa, mas evitando também a acumulação de bactérias e micróbios nos filtros e nos tanques do aparelho. O aparelho pode estar localizado numa das divisões da casa, com um alcance de 27 metros quadrados, mas pode ser mudado de divisão para higienizar outra área da casa, apesar de a Dyson recomendar que para a máxima eficiência deve ter um equipamento em cada divisão.

O tempo de funcionamento pode ser programado e varia consoante o tipo de divisão e a qualidade do ar detetada, mas há modos automáticos que usam os sensores para pré-determinar o modo de humidificação e purificação, e um relatório vai sendo mostrado no ecrã do aparelho e na aplicação do telemóvel. Embora o equipamento seja relativamente silencioso, há ainda um modo noturno que reduz o ruído para quem que manter o humidificador ligado durante a noite como o SAPO TEK comprovou nos vários dias em que experimentou o aparelho.

Durante o funcionamento, o Dyson Pure Humidify+Cool deteta partículas microscópicas de várias fontes, incluindo os COVs (Compostos Orgânicos Voláteis), como o benzeno e o NO2 (dióxido de nitrogénio) e os sensores medem também a humidade relativa do local, assim como a temperatura, em tempo real, mostrando todos os indicadores na aplicação para telemóvel Dyson Link e no ecrã LCD do aparelho. Através da circulação de ar os filtros HEPA e de carbono ativo capturam 99,95% dos contaminantes, incluindo os alergénicos, bactérias e o pólen, eliminando também gases como o NOe o benzeno.

dyson pure humidify+cool
créditos: © Chris Terry 2019

O ar purificado é depois projetado com a tecnologia Air Multiplier, que pode ser controlado no modo desejado pelo utilizador. Neste novo equipamento a Dyson incorporou uma nova tecnologia, o Jet Axis Control, que controla de forma independente cada um dos caudais de amplificação de ar em modo de brisa, ventilador ou difuso.

Maria Perez explica que muitos humidificadores usados em casa ajudam a resolver os problemas do ar seco de algumas regiões e países, ou da utilização do ar condicionado, mas que trazem outros problemas pela acumulação de bactérias nos tanques de água. Este novo equipamento da Dyson usa luz UV-C para impedir que as bactérias se reproduzam na água que é bombeada a partir do depósito, matando 99,9% das bactérias, e os filtros têm também propriedades antimicrobianas, evitando o crescimento destes elementos no evaporador.

Para simplificar a limpeza do aparelho a Dyson desenvolveu um ciclo de limpeza em profundidade que limpa as várias peças que estão expostas à água, e os próprios filtros interiores podem ser limpos dentro do depósito de forma fácil. O próprio aparelho dá a indicação de quando é preciso fazer a limpeza e guia todo o processo.

Depois de instalado o Dyson Pure Humidify+Cool é muito autónomo e exige pouca manutenção. Os ciclos de funcionamento podem estar pré- programados ou são definidos na aplicação ou através de um comando, que está sempre à mão, seguro de forma magnética no topo do equipamento. Para além da limpeza, a manutenção é reduzida. Segundo os dados partilhados, um depósito de água do aparelho dura cerca de um mês, e os filtros devem ser limpos ou mudados ao fim de cerca de um ano, uma métrica que depende da utilização e da qualidade do ar ambiente.

O Dyson Pure Humidify+Cool custa 699 euros e já está à venda em Portugal, mas por enquanto apenas online. Em breve deverá estar nas lojas do El Corte Inglês, Worten e Media Markt

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.