Em dezembro de 2019, a Boeing esperava enviar a sua cápsula de teste Starliner para a Estação Espacial Internacional, mas uma anomalia no sistema de contagem decrescente causou uma mudança na sua rota e um consumo de combustível acima do previsto. A NASA acabou por cancelar o trajeto do veículo antes de chegar à ISS, mandando-o para trás. Depois da NASA ter analisado os testes, revelou que o incidente poderia ter assumido um desastre catastrófico, demonstrando preocupação pela falta de rigor dos processos de verificação da Boeing. Ainda assim, manteve-se a confiança no projeto, planeando regressar aos testes do Starliner ainda durante 2020.

Ainda não existe uma data confirmada, mas em dezembro a Boeing e a NASA vão voltar a enviar o Starliner CST-100 sem tripulação, naquela que será uma simulação de um voo automatizado, batizado de Orbital Flight Test-2 (OFT-2). No blog da NASA, é referido que o teste está apontado para o início de dezembro, mais ainda falta completar o hardware, a qualificação do software de voo e outras questões que resultaram da análise dos dados do primeiro lançamento.

O novo módulo, que pretende levar astronautas ao espaço, será enviado por um foguetão United Launch Alliance Atlas V. A maior parte dos componentes da cápsula já estão completos e os trabalhos mais recentes focaram-se no sistema de acoplagem da reentrada, num reforço de proteção. O sistema de proteção térmica, assim como os sacos de ar, utilizados para proteger a cápsula no contacto com o solo durante a aterragem, já estão instalados.

A NASA explica que enquanto a Boeing finaliza as restantes atividades de produção, o módulo de tripulação entrou recentemente na fase de testes de aceitação. Também em Houston, a equipa de software encontra-se na fase final do código de voo, depois de analisar os dados do primeiro voo. E há uma equipa independente de revisão, composta por elementos da Boeing e da NASA, que traçou uma lista de 80 recomendações de implementação na cápsula após ter analisado o primeiro voo. 75% das ações já terão sido feitas.

Se tudo correr como esperado e a missão do OFT-2 for bem-sucedida, a Boeing irá focar todas as atenções na preparação do teste final, desta vez com astronautas a bordo. Esta missão está prevista para junho de 2021, que garantirá à Boeing a certificação do Starliner-1. A tripulação de teste é composta pelo astronauta da Boeing Chris Ferguson e os da NASA Mike Fincke e Nicole Mann.

A sua primeira missão comercial deverá acontecer em dezembro de 2021. E já há nomes para o primeiro voo oficial: os astronautas da NASA Sunita Williams, Josh Cassada e Jeanette Epps.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.