Existem vários protótipos de peles artificiais programadas para reagir ao toque, no entanto, no que diz respeito à reação à dor, estes não têm sido particularmente bem-sucedidos. Para o segmento da indústria robótica que está hoje focada no desenvolvimento de humanóides e de próteses mais realistas, esta realidade pode dificultar-lhes a tarefa, dado que ainda não se encontra tão desenvolvida quanto seria esperado. No entanto, graças a um estudo da RMIT University, a  sensibilidade à dor pode vir a ser uma característica dos robots do futuro, o que poderá auxiliar a construir um futuro em que a pele artificial é uma realidade cada vez mais viável.

Investigadores desenvolvem pele robótica sensível ao toque
Investigadores desenvolvem pele robótica sensível ao toque
Ver artigo

A pele artificial desenvolvida no âmbito deste projeto contempla reações bastante mais realistas à dor, no sentido em que providencia feedback praticamente instantâneo a qualquer instância de interação que contemple pressão ou temperaturas acima do normal. O protótipo em causa é feito de componentes eletrónicos bastante pequenos e flexíveis, articulados com sensores de pressão e temperatura, o que lhe permite distinguir entre um beliscão auto infligido e um soco.

Ataur Rahman, um dos investigadores envolvidos no projeto, escreve que o design deste protótipo mimetiza os neurónios, bem como os caminhos neurais e os recetores cerebrais que orientam as aptidões sensoriais humanas. Na prática, quando um destes sensores é estimulado a partir de um certo nível, determinado eletronicamente como correspondendo a uma réplica do que seria sentido como dor pela pele humana, o circuito é imediatamente acionado para comunicar a todo o componente a necessidade de reagir. Segundo a equipa, esta técnica contraria algumas das que têm vindo a ser exploradas neste campo, uma vez que constrói sobre a ideia de reação mecânica.

tek pele
Protótipo utiliza “pele humana” artificial para melhorar interações com aparelhos eletrónicos
Protótipo utiliza “pele humana” artificial para melhorar interações com aparelhos eletrónicos
Ver artigo

"A pele é o nosso maior órgão sensorial, tem funcionalidades complexas que foram desenhadas para comunicar com o nosso cérebro de forma instantânea quando alguma coisa nos inflige dor. Estamos constantemente a sentir coisas com a nossa pele, mas a nossa resposta à dor só é despoletada em determinados pontos, quando tocamos alguma coisa demasiado quente ou muito afiada", explica Madhu Bhaskaran, professor responsável pela investigação. "Nenhuma pele artificial tinha alguma vez conseguido replicar essa sensação - até agora", conclui.

O projeto ainda não está perto de nos dar um produto final, mas os envolvidos esperam que estes protótipos possam vir a ajudar no desenvolvimento de próteses, por exemplo, uma vez que um substituto artificial mais "ciente" do perigo pode ajudar o seu portador a preservar a sua segurança.

O protótipo também abre algumas hipóteses no domínio dos enxertos de pele, uma vez que a dor é um mecanismo de defesa natural e essencial. No entanto, o protótipo requer ainda alguns testes antes de vir a integrar produtos comercializáveis.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.