com o apoio MEO
em modo Escuro poderá poupar até 30% de energia. Saiba mais

Investigadores desenvolvem pele robótica sensível ao toque

Projeto da Universidade Nacional de Singapura combina visão e toque num sistema sensorial artificial que tem potencial para melhorar a perceção das máquinas.
Investigadores desenvolvem pele robótica sensível ao toque

Um grupo de investigadores da National University of Singapore (NUS), desenvolveu uma pele artificial que dá aos robots a capacidade de detetarem um toque mil vezes mais rápido do que o sistema nervoso sensorial humano. O sistema faz também com que as máquinas consigam identificar o formato, a textura e a dureza de um objeto, dez vezes mais rápido do que o olho humano. Os responsáveis acreditam que este projeto pode elevar o nível de interação Homem-máquina, abrindo portas, por exemplo, à criação de robots cuidadores (idosos, bebés, animais) e ao desenvolvimento das tecnologias de cirurgia remota.

Numa primeira fase de testes, a equipa da NUS equipou uma mão robótica com esta pele artificial para que esta lesse Braille. O aparelho transmitiu os dados recolhidos ao chip neuromórfico Loihi, desenvolvido pela Intel, que depois os traduziu. O chip atingiu uma precisão de 92%.

Dupla de irmãs portuguesas ganha competição internacional de robótica para crianças
Dupla de irmãs portuguesas ganha competição internacional de robótica para crianças
Ver artigo

Depois deste teste, os investigadores combinaram dados visuais e táteis para ensinar o robot a classificar recipientes, com base naquilo que sentia, através da pele artificial, e daquilo que via, através da câmara. A combinação entre estes dois tipos de dados permitiu à máquina ser 10% mais precisa do que nos casos em que recorreu, exclusivamente, a dados visuais.

Outro sinal promissor foi o facto de o Loihi ter conseguido processar os dados sensoriais 21% mais rápido do que o melhor GPU do mercado ao mesmo tempo que consumia 45 vezes menos energia.

As conclusões deste estudo foram apresentadas recentemente, na Robotics: Science and Systems, uma conferência especializada.

"Estamos muito entusiasmados com estes resultados. Eles mostram-nos que um sistema neuromórfico é uma promissora parte do puzzle necessário para combinar os múltiplos sensores que podem melhorar a perceção de um robot. É um passo que nos permite aproximarmo-nos de robots robustos, capazes de responder rápida e adequadamente a situações inesperadas", disse Harold Soh, professor assistente na escola de computação da universidade singapuriana.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Veja também

 
 

Comentários

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa , as nossas notificações ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.