Pousou em Marte em novembro de 2018 com o objetivo de analisar o “coração” do planeta. Depois de registar os sons do vento, identificar tempestades de areia e registar sinais de atividade sísmica - alguns deles "martemotos" -, a sonda Insight, estrela da missão da NASA com o mesmo nome, terá conseguido confirmar que a crosta do planeta vermelho é feita de camadas.

É para os lados do equador de Marte, em Elysium Planitia, que a sonda usa o seu braço robótico para escavar a superfície marciana - ou tenta, já que não tem sido fácil manter o Heat Flow and Physical Properties Package (H3), ou toupeira, como também é conhecido, a funcionar. Vale à Insight estar equipada com mais instrumentos que, conjugados, levaram aos resultados que serão oficialmente divulgados em breve e que a Nature avança, citando vários sismólogos.

InSight “ligou” de Marte para “casa” a dizer que está tudo OK
InSight “ligou” de Marte para “casa” a dizer que está tudo OK
Ver artigo

Tal como fazem com os terremotos na Terra, os investigadores estão a usar os martemotos para mapear a estrutura interna do planeta vermelho. A energia sísmica viaja pelo solo em dois tipos de onda; medindo as diferenças em como essas ondas se movem, os sismólogos podem calcular onde o núcleo, o manto e a crosta de Marte começam e terminam, assim como a composição geral de cada um.

Já havia suspeitas que, tal como na Terra, a crosta marciana também tinha camadas, com os dados fornecidos agora pela InSight a confirmarem a previsão e a indicarem a existência de duas ou três camadas. Dependendo da quantidade de camadas, a espessura de cada uma pode variar entre os 20 ou 37 quilómetros.

NASA ensina sonda InSight a resolver um problema técnico com um golpe de “karaté” certeiro
NASA ensina sonda InSight a resolver um problema técnico com um golpe de “karaté” certeiro
Ver artigo

Também se prevê que a espessura das camadas seja diferente consoante o local de Marte, mas não devendo ultrapassar os 70 quilómetros em média. Na Terra, a espessura da crosta terrestre varia entre cerca de 5 a 10 quilómetros abaixo dos oceanos e os 40 a 50 quilómetros abaixo dos continentes.

Espera-se que a InSight possa recolher mais dados sobre o núcleo e o manto do planeta vermelho ao longo das próximas semanas, que dependem dos centímetros de profundidade que a “toupeira” escavar, além da distância que já alcançou, naquela que pelos vistos será uma última tentativa.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.