As ruas “transpiram” tecnologia em 2030. E as casas também, mas umas mais do que outras, porque as diferenças económicas não deixaram de existir e o dinheiro vai continuar a ter peso no acesso a alguns “luxos”. As pessoas - no conceito que conhecemos hoje - continuam a trabalhar, mas muitas das funções mudaram. E no meio de tantos bits e bytes, ainda resta “humanidade”.

Este foi, muito resumidamente, o cenário traçado pelos futuristas Andra Keay, Jacques Van den Broek e John Vickers na conferência Our robot future: A day in the life in 2030, que aconteceu esta quarta-feira no palco AutoTech/TalkRobot do Web Summit.

Diretora da Silicon Valley Robotics, Andra Keay trouxe o relato de um dia em 2030 na vida de duas famílias de classes sociais diferentes, para mostrar que há diferenças que vão prevalecer, e o futuro não vai (continuar a) ser igual para todos.

As situações num e noutro caso serão dispares, variando entre a hipótese de perguntar à casa se a nossa filha já se levantou de manhã ou ter de vender DNA para experiências médicas para ter acesso a um plano de saúde, por exemplo.

Sair à rua ou estar num qualquer sítio público é exaustivo, porque a tecnologia, materializada em “seres robóticos” ou não, quer identificar-nos e monitorizar-nos, seguir-nos e requerer a nossa atenção, bombardeando-nos com feeds. Entretanto há selfies e foodies para tirar e partilhar.

“Pensei que os robots iam facilitar a nossa vida, mas realmente a vida mudou e o futuro é muito mais sobre dados e feedback”, desabava o protagonista da família com menos possibilidades da história de Andra Keay.

Jacques Van den Broek, da Randsat, começou a sua intervenção com um vídeo de tributo ao mais poderoso computador do mundo.

Primeiro deu as boas notícias: “cada um de vós continua a ser o computador mais poderoso e intrigante do mundo”, disse dirigindo-se à plateia que enchia o espaço reservado ao palco TalkRobot.

Logo a seguir lançou que a tecnologia não vai tomar conta de todos os nossos empregos, “mas é verdade que 60% dos nossos trabalhos vão mudar”. O CEO da gigante do recrutamento lembrou que, quando não for a tecnologia a substituir os humanos, vai estar lá para sustentar a maior parte das tarefas.

O Web Summit decorre até dia 9 de novembro e o TEK está a acompanhar os momentos mais importantes, nomeadamente em imagens. Veja a edição de 2017 do evento "por dentro".

 

Nota de redação: A notícia foi alterada para corrigir uma referência temporal errada.