Em dados específicos, foram 976 as queixas relacionadas com o cibercrime feitas ao longo do ano passado, segundo o mais recente Relatório Anual de Segurança Interna (RASI), divulgado esta quarta-feira. O número mostra um crescimento de 226% em 11 anos neste género de delitos, face às 299 denúncias em 2006. Já entre 2016 e 2017 a subida foi de 21,8%, traduzidos em mais 175 casos registados.

Enquanto o volume de denúncias cresce, o número de inspetores da Unidade Nacional de Combate ao Cibercrime e à Criminalidade Tecnológica (UNC3T) da Polícia Judiciária ainda não teve ainda o aumento prometido em 2015 para um total de 100, avança o Diário de Notícias.

A UNC3T conta com pouco mais do que os 30 investigadores de origem, referiu o diretor da unidade, Carlos Cabreiro, em declarações ao jornal, reconhecendo que "tem de haver uma adequação dos meios a uma realidade criminal que tem aumentado em complexidade e solicitações".

De acordo com o responsável, a Unidade Nacional irá integrar mais elementos até ao final deste ano, 30 segundo o referido, mas ainda não há uma data concreta.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.