No dia 19 de setembro foi assinalado o Software Freedom Day, que celebra a nível mundial o Open Source e pretende promover e assinalar todos os avanços que a sociedade conheceu devido aos sistemas de código aberto, servindo ainda de reflexão para os desafios que se avizinham. O SAPO TEK aproveitou a data para uma entrevista a Jan Wildeboer, o evangelista máximo da Red Hat, a propósito da evolução do conceito e da sua aplicação, mas também da visão do futuro.

A história do open source não está apenas ligada ao software mas também à partilha de conhecimento, e estende-se a várias áreas da economia. Existem diversas iniciativas ligadas à promoção do código aberto, e depois de vários anos de "guerra" com o software proprietário, hoje a visão é mais de coexistência, com muitas das grande tecnológicas a desenvolverem projetos nesta área. E nas últimas somam-se muitas invenções sob o chapéu do Open Source, desde o  Apache Web Server, Linux, o sistema operativo Android, PHP ou MySQL. A comunidade contribuiu também para a adoção desta lógica nas áreas da Inteligência Artificial, Machine Learning, containers e Kubernetes, influenciando também a gestão de direitos de autor com a criação das licenças Creative Commons.

A Red Hat tem sido uma das empresas que se destaca na defesa do Open Source e da sua filosofia. Jan Wildeboer refere estas e outras inovações, assim como projetos relevantes em várias áreas, mas também o crescimento da utilização do open source nas empresas. Para o evangelista, o código aberto já é o padrão no desenvolvimento de software mas há mais a ganhar em abordar outras áreas, como a ciência ou a política, "onde o código aberto está a mostrar-nos as vantagens de nos aproximarmos em vez de nos dividirmos".

SAPO TEK: A Red Hat é uma das empresas que tem vindo a defender a lógica de Open Source como promotora da inovação. Quer explicar porquê e como manter um modelo de negócio sustentado neste conceito?

Jan Wildeboer: Sendo a maior empresa de open source no mundo, acreditamos que usar um modelo de desenvolvimento aberto cria tecnologias mais estáveis, seguras e inovadoras. Na Red Hat, dispendemos mais de duas décadas a colaborar em projetos comunitários e a proteger as licenças de código aberto, para que possamos continuar a desenvolver software que alargue as fronteiras da capacidade tecnológica.

Criamos software usando os métodos open source, um conjunto de princípios assente num fórum aberto a ideias, no qual as comunidades se podem formar em torno da resolução de um problema ou do desenvolvimento de uma nova tecnologia. Esta filosofia afeta tudo o que fazemos na Red Hat. E não estamos sozinhos. A maioria dos líderes TI concorda que o open source empresarial é importante.

IBM fecha compra da Red Hat. É a maior aquisição de sempre da tecnológica
IBM fecha compra da Red Hat. É a maior aquisição de sempre da tecnológica
Ver artigo

O modelo de desenvolvimento open source é, atualmente, o modelo de desenvolvimento de software padrão. Hoje, a utilização de software de código aberto nas empresas continua a crescer, retirando quota de mercado ao software proprietário. Num relatório recente da Red Hat, 95% dos líderes TI afirma que o open source é importante para a estratégia de software da infraestrutura empresarial e, além disso, 77% planeiam a utilização de software de código aberto.

A par disto, o uso de software proprietário está a descer a pique, pois as licenças caras e inflexíveis do software proprietário resultam em despesas de capital (CapEx) elevadas e aprisionamento tecnológico. 

SAPO TEK: A lógica que está por trás do Open Source não se limita de todo ao software e o conceito de partilha de tecnologia de forma aberta está noutras áreas da economia e da cultura. À medida que a sociedade amadurece tem tendência a disseminar-se e deixar de ser uma ideia para “os pobrezinhos”?

Jan Wildeboer: Não concordo que o open source seja para “os pobrezinhos”, bem pelo contrário. O modelo open source completo - software de código aberto, dados abertos, hardware aberto - alicerçou-se sempre na partilha de conhecimento de forma clássica e tradicional, e muitas das maiores empresas do mundo acolhem e consomem software open source.

Lentamente, começa-se a desenvolver a visão de que ter um feudo de conhecimento e criar software proprietário não é um modelo de negócio viável.

Quando se olha para pequenos projectos de código aberto como o projecto de dados abertos no Chile, que está a ajudar académicos, criativos, artesãos e funcionários públicos a utilizar dados abertos para criar mudanças no ambiente, ou para a comunidade global de voluntários que desenha, produz e distribui próteses impressas em 3-D open source gratuitamente, vemos que o código aberto está a criar um ambiente mais inclusivo em que qualquer um pode participar.

O open source não tem grandes obstáculos à entrada.

SAPO TEK: Hoje a larga maioria das empresas usam software open source nos seus projetos, Quais são as vantagens?

Jan Wildeboer: O open source fornece um acesso rápido às mais modernas abordagens ao desenvolvimento de software e de TI. Ele está na crista da onda de inovação tecnológica e a adoção de open source encoraja as empresas a tornarem-se mais inovadoras, em vez de focadas em produtos legados.

Isto ajuda a atrair jovens talentos. Houve mudanças enormes no equilíbrio de forças em anos recentes, graças ao código aberto. Agora, os programadores decidem que pilhas tecnológicas pretendem usar e têm muito mais voto na matéria quando se trata de escolher as ferramentas e tecnologias a usar.

O mercado das soluções de software é muitíssimo maior, graças ao código aberto. E as organizações podem escolher o seu próprio modelo de consumo, usando os projetos comunitários a montante e aprendendo à medida que avançam, ou fazendo parcerias com uma empresa como a Red Hat, que fornece produtos de nível empresarial desses projetos.

SAPO TEK: Este é um conceito que devia ser ensinado nas escolas de uma forma mais aprofundada?

Jan Wildeboer: Sim, os conceitos do código aberto deviam ser ensinados nas escolas. Faz todo o sentido. O desafio é encontrar professores qualificados para o fazer. Para que tal aconteça, a decisão de ensinar os princípios do código aberto ou aprender mais sobre software open source torna-se uma decisão de política.

Há exemplos fantásticos de utilização do poder do open source na educação, como a série Like Rockets, o Food Computer Programme ou o Co.Lab, que fazem com que alunas do secundário tomem contacto com os princípios do open source... e com um mundo de tecnologia e de colaboração que, de outro modo, talvez nem estivessem nos seus planos. Os estudantes aprendem a trabalhar em conjunto para resolver problemas, desenvolver novas ideias e procurar experiências partilhadas para criar algo único.

SAPO TEK: O Open Source tem vindo a crescer sobretudo na área de servidores e Web mas ainda não conseguiu conquistar o “reduto” do utilizador final e também a área das soluções móveis. Qual é que lhe parece ser a razão?

Jan Wildeboer: Na verdade, poderá haver uma perceção errada acerca da presença do open source junto dos utilizadores finais. Basta lembrarmo-nos de que o mercado global de sistemas operativos mobile se divide em 75% para o Android e 25% para o iOS. Muitos utilizadores finais não estão cientes dos sistemas que estão na base dos dispositivos, mas a verdade é que somos muito fortes na área das soluções mobile.

SAPO TEK: Algum dia todo o software será open source ou vai existir sempre uma coexistência com o software proprietário?

Jan Wildeboer: Nem tudo será de código aberto. Haverá sempre um espaço para o software proprietário. Estamos a avançar rumo a um mundo definido pelo software, pelo que acredito que muitas empresas vão poupar tempo e dinheiro se implementarem soluções de código aberto. Recordo que cerca de 80% da funcionalidade das soluções empresariais não são relevantes a nível de competitividade. Apenas 20% trazem algum valor às empresas (normalmente, é aqui que as soluções proprietárias são implementadas).

SAPO TEK: Será uma coexistência pacífica depois de algumas “guerras” a que assistimos no passado?

Jan Wildeboer: Acredito que essas "guerras" terminaram. A mensagem do open source nos últimos 10 anos tem sido diferente e os utilizadores e as empresas já compreendem a nossa mensagem e as nossas vantagens.

SAPO TEK: Nos últimos anos quais foram os principais projetos de open source que mais o estimularam ou surpreenderam?

Jan Wildeboer: O que mais me surpreendeu foi a velocidade de adoção dos containers / kubernetes, porque se tornou o padrão do mercado em menos de dois anos.

Empresas tecnológicas veem no open source uma forma económica de transformação digital
Empresas tecnológicas veem no open source uma forma económica de transformação digital
Ver artigo

No que toca a projetos específicos, há muitos, como o e-NABLE, uma comunidade online global de voluntários humanitários digitais de todo o mundo que utilizam as suas impressoras 3D para criar próteses de membros superiores gratuitas e de baixo custo para crianças e adultos que delas precisam. Os designs de código aberto criados pelos voluntários do e-NABLE ajudam aqueles que nasceram sem dedos ou mãos, ou que os perderam devido a guerras, catástrofes naturais, doenças ou acidentes. Há aproximadamente 20.000 voluntários e-NABLE em mais de 100 países que entregaram braços e mãos grátis a cerca de 8.000 recetores através da colaboração e do design open source, só para ajudar quem está em comunidades necessitadas que têm pouco ou nenhum acesso a cuidados médicos.

Outro projeto fascinante é o "Starting Small", um projecto de dados abertos desenvolvido no Chile, desde a aldeia de Pomaire até aos picos da Patagónia, onde pessoas de diferentes origens e gerações estão a usar dados para efetuarem mudanças reais. Criativos, artesãos, académicos e conservacionistas estão a abrir caminho, usando dados abertos para criar mudanças no ambiente.

SAPO TEK: Onde é que gostava que o open source estivesse, em termos de utilização e evolução, daqui a 10 anos?

Jan Wildeboer: A minha resposta emocional seria "o trabalho está feito". Duas gerações de programadores de software estão agora a utilizar o código aberto como padrão, mas acredito que haverá mais a ganhar em abordar outras áreas como a ciência ou a política, onde o código aberto está a mostrar-nos as vantagens de nos aproximarmos em vez de nos dividirmos.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.