O Facebook já tinha dado a conhecer que, no futuro, os seus óculos de realidade aumentada poderiam ser acompanhados por pulseiras que são capazes de registar os movimentos das mãos e dedos. O Facebook Reality Labs, o laboratório de investigação da empresa, deu recentemente a conhecer que já está a trabalhar num protótipo.

Numa publicação no seu blog oficial, a equipa do laboratório de inovação explica que as pulseiras estão equipadas com sensores que conseguem detetar os movimentos que o utilizador pretende fazer, interpretando a atividade dos nervos motores à medida que enviam informação do cérebro para a mão.

Numa fase inicial, as pulseiras reconhecerão um conjunto limitado de gestos mais fáceis de executar, ou “clicks”, como juntar as pontas do dedo indicador e do polegar e solta-las rapidamente.

Facebook Reality Labs | Pulseiras que registam movimentos Facebook Reality Labs | Pulseiras que registam movimentos
créditos: Facebook Reality Labs

Já no futuro, as pulseiras conseguirão interpretar a atividades dos nervos motores para reconhecer, por exemplo, os movimentos utilizados para escrever num teclado. Através delas os utilizadores poderiam escrever num teclado virtual que se adaptaria aos seus hábitos e aprenderia a corrigir os seus erros mais comuns.

Óculos de realidade aumentada do Facebook poderão funcionar com pulseiras que registam movimentos
Óculos de realidade aumentada do Facebook poderão funcionar com pulseiras que registam movimentos
Ver artigo

As pulseiras e os próprios óculos de realidade aumentada são apenas peças do puzzle que o laboratório de inovação está a construir. Para por tudo a funcionar em conjunto é necessário desenvolver um sistema de Inteligência Artificial avançado que se adapte ao utilizador e ao ambiente que o rodeia. Além disso, Tanya Jonker, investigadora do Facebook Reality Labs, indica que o sistema terá de “ter alguma compreensão acerca daquilo que este pretende fazer no futuro”.

Os investigadores estão também à procura de novas formas de disponibilizar feedback háptico através das pulseiras. Entre as ideias que estão a ser desenvolvidas destacam-se dois protótipos, um chamado “Bellowband” e outro “Tasbi”, ou Tactile and Squeeze Bracelet Interface.

O laboratório afirma que a privacidade e segurança dos utilizadores são questões essenciais, uma vez que tanto os óculos de realidade aumentada como as pulseiras recolhem um vasto número de dados, e que estão a ser tomadas medidas para mitigar possíveis problemas.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.