A informação digital continuará a crescer e o ritmo dessa evolução não vai abrandar. Pelo contrário, um estudo realizado pela IDC e encomendado pela EMC revela que até 2020 o volume de dados digitais irá duplicar a cada dois anos.



No final deste ano existirão 2,8 zettabytes de informação digital e em 2020 40 zettabytes. Numa comparação com grãos de areia, a quantidade de dados estimada é 57 vezes superior à quantidade de areia existente em todas as praias do planeta. Guardar 40 ZB de informação em discos blue-ray, por isso, corresponderia ao peso de 424 porta-aviões.



A proveniência da informação digital também está a mudar. Se em 2010 a informação digital produzida em mercados emergentes representava apenas 23% do total, em 2012 esse peso já é de 62% e em 2020 aumentará para 2020.



Neste momento o país que mais produz dados digitais é os Estados Unidos (32%). A Europa Ocidental (19%) é a segunda região mais digital. Seguem-se China e Índia. Já a região que mais gasta para gerir a sua informação digital é a Europa.



De acordo com o estudo, a Europa Ocidental gasta atualmente 2,49 dólares por GB. Os Estados Unidos 1,77 dólares por GB, enquanto a China e a India gastam 1,31 e 0,87 dólares respetivamente.



Neste cenário, a nuvem terá um papel cada vez mais determinante, assumindo-se como opção central para o armazenamento de informação. Em 2020 40% da informação digital passará pela nuvem. Nessa altura o volume de informação digital guardada sobre cada utilizador na cloud será superior ao volume de informação digital que os próprios terão produzido.

Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.