O projeto está entregue a um grupo de cientistas de Portugal, Estados Unidos, Holanda e Reino Unido, e pretende registar as galáxias mais profundas do universo. O objetivo é explicar como a nossa galáxia evoluiu ao longo do tempo cósmico, refere a investigadora portuguesa Ana Paulino-Afonso, da Universidade de Lisboa, envolvida no projeto ao Gizmondo.

Na imagem revelada do projeto, os cientistas apontam cada galáxia conhecida com círculos coloridos, representando a distância da Terra na unidade do milhar de milhão de anos-luz. As galáxias mais próximas estão assinaladas a azul, enquanto as mais distantes são registadas a vermelho. O indicador vertical representa o Redshift, ou seja, a velocidade com que as galáxias se afastam da Terra, demonstrando a expansão do universo.

galaxia

Para encontrar a idade especifica das galáxias, o estudo utiliza a referida linha Lyman-alpha, uma luz emitida quando o eletrão dos átomos de hidrogénio passa de um estado excitado (n>2) para o nível base (n=1). Segundo é referido, a luz emitida é ultravioleta e não pode ser detetada a partir da Terra porque a camada de ozono bloqueia grande parte da sua emissão. Esta luz pode ser captada através de telescópicos terrestres, tais como o Subaru, localizado no Havai. Para detetar as diferentes galáxias os cientistas utilizam filtros específicos e dessa forma agrupar a distância das emissões e catalogar a sua idade.

Descoberta surpreendente do Hubble põe em causa teoria da evolução das galáxias
Descoberta surpreendente do Hubble põe em causa teoria da evolução das galáxias
Ver artigo

Através deste método, a equipa de cientistas já registou cerca de 4.000 emissões Lyman-alpha, ou seja, 4.000 potenciais galáxias localizadas entre 19 mil milhões a 28 mil milhões de anos-luz de distância.

Em conclusão, este estudo ajuda os astrónomos a compreender como é que as galáxias, tais como a Via Láctea, evoluem e se expandem ao longo do tempo. Uma observação anotada é que as galáxias registadas são mais compactas que a nossa, o que pode significar que a Via Láctea já foi também mais pequena.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.