Pode até não existir qualquer interferência externa no próximo processo eleitoral norte-americano, mas, se for o caso, o Pentágono está pronto para retaliar. De acordo com o Daily Beast e com a organização não governamental Center for Public Integrity, que citam fontes anónimas, o Departamento da Defesa está pronto para contra-atacar qualquer tipo de ataque informático endereçado aos sistemas eleitorais dos EUA.

Rússia exige que EUA apresentem provas do envolvimento de Moscovo nas eleições presidenciais
Rússia exige que EUA apresentem provas do envolvimento de Moscovo nas eleições presidenciais
Ver artigo

O planeamento foi feito para preparar ciberataques provenientes da Rússia. E apesar de não ter sido revelado o tipo de ataque que está preparado para retaliar uma ofensiva russa, ambos os mensageiros afirmam que os hackers envolvidos estão autorizados a invadir sistemas chave da inteligência russa, para garantir que os ataques circulam rapidamente.

A imprensa internacional afirma que o ataque só será iniciado se a Rússia tentar interferir com os votos. Campanhas de manipulação da opinião pública, tal como aconteceu nas últimas eleições legislativas, não serão consideradas sérias o suficiente para despoletar uma retaliação.

O Engadget explica que as regras que regulam os ataques informáticos foram "aliviadas", uma vez que já não são necessárias autorizações de instâncias superiores. Durante o mandato de Barack Obama, o presidente autorizava ciberataques defensivos, ao passo que as ofensivas de maior dimensão já requeriam a autorização de três comités distintos. Agora, sob a batuta de Donald Trump, existem vários ataques que não estão sujeitos à aprovação da Casa Branca, uma vez que a maioria do trabalho é articulado entre o Pentágono, o Departamento de Segurança Interna dos EUA e o Diretor de Inteligência Nacional.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.