Os artistas estão divididos quanto ao mérito a atribuir às chamadas redes peer-to-peer, conhecidas por facilitarem a troca gratuita de material protegido por direitos de autor, mas, num estudo conduzido pelo Pew Internet and American Life Project, quase todos mostram acreditar que a Internet beneficia o seu trabalho.




A maior parte dos artistas inquiridos pelo Pew Internet and American Life Project afirmaram que a partilha online de ficheiros não os preocupa em demasia. Dois terços indica que as redes P2P representam uma ameaça diminuta para si, e menos de um terço defende que sejam uma grande ameaça para as indústrias criativas. Apenas três por cento dos inquiridos acha que a Internet prejudica a capacidade de protecção das suas criações.




Considerando as redes P2P, 47 por cento dos artistas que participaram neste estudo - cujos resultados foram divulgados recentemente - afirma que as mesmas os impedem de ganhar os royalties do seu trabalho, quando 43 por cento defende que este tipo de serviço acaba por ajudar na promoção e distribuição do seu material.




"Aquilo que ouvimos de uma larga amostra dos artistas é que, apesar dos desafios que se colocam na tentativa de protecção dos trabalhos online, a Internet lhes propôs novas formas para exercitarem a sua imaginação e venderem as suas criações", diz a autora deste relatório, Mary Madden, investigadora do Pew Internet, citada pela Reuters.




O estudo do Pew Internet - um grupo sem fins lucrativos - baseou-se no inquérito a 809 artistas não identificados, durante o mês de Dezembro de 2003.




Notícias Relacionadas:

2004-11-30 - Kazaa enfrenta julgamento na Austrália sob acusações de cinco editoras

2004-10-15 - Justiça britânica obriga ISPs a identificarem swappers

2004-10-07 - Indústria fonográfica aponta armas contra 459 “piratas” europeus

2004-10-01 - RIAA eleva a mais de 5.000 os processos contra swappers

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.