Depois de ter sido levada a tribunal por recolher dados de localização e violar as leis de proteção do consumidor do Estado do Arizona, a Google volta a enfrentar mais um processo judicial. Desta vez, a gigante de Mountain View foi acusada de invadir a privacidade dos utilizadores ao recolher informações sobre as suas atividades online quando usam o modo incógnito do Google Chrome e poderá pagar uma multa de 5 mil milhões de dólares, ou, pelo menos, uma coima de 5.000 dólares por cada utilizador afetado.

De acordo com o processo aberto no Tribunal Federal de San Jose, na Califórnia, os queixosos alegam que a empresa recorre a ferramentas como a Google Analytics, a Google Ad Manager, assim como aplicações para smartphone e computador e plug-ins de websites para monitorizar o que milhões de utilizadores fazem.

“A Google rastreia e recolhe os dados do histórico do browser de outras atividades online independentemente das medidas que os consumidores tomem para proteger a sua privacidade”, indica o processo. A queixa alega ainda que a empresa está a enganar propositadamente os utilizadores, levando a que acreditem que têm algum tipo de poder em relação à informação que partilham com ela.

“A Google não pode continuar a recolher dados de forma sub-reptícia e não autorizada de todos os cidadãos norte-americanos que têm um computador ou smartphone”, sublinham os queixosos.

Num comunicado à imprensa internacional, Jose Castaneda, porta-voz da Google afirmou que a empresa vai contestar fortemente as alegações do processo em Tribunal. “O modo incógnito do Google Chrome dá aos utilizadores a opção de navegar a Internet sem que a sua atividade fique registada no browser ou no equipamento", explicou Jose Castaneda.

Chrome quer controlos de privacidade e de segurança mais intuitivos. Conheça as novidades
Chrome quer controlos de privacidade e de segurança mais intuitivos. Conheça as novidades
Ver artigo

"Nós mencionamos claramente de cada vez que é aberta uma nova janela incógnita que alguns websites poderão recolher informação sobre as atividades realizadas durante a sessão online”, afirmou o porta-voz da Google.

A Google tem vindo a fazer sucessivas atualizações ao Chrome para melhorar a privacidade de quem navega através do modo incógnito, com a mais recente a chegar em maio deste ano. Porém, vários investigadores da área da cibersegurança afirmam que a utilização do modo pode mesmo ser mais prejudicial, pois pode fazer com seja traçado um perfil da identidade dos utilizadores, ao combinar dados da navegação comum com os da privada.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.