Não será razão para reduzir os esforços aplicados na melhoria dos sistemas de protecção dos jovens online, mas um estudo realizado em 25 países europeus garante que o número de crianças confrontadas com problemas na Internet é pequeno, e que poucos se confessam afectados com situações de conteúdo inadequado ou bullying.

A investigação foi conduzida pela London School of Economics e abrangeu mais de 25 mil jovens com idades entre os 9 e os 16 anos, entrevistados nas suas casas e na presença dos pais. A análise inclui Portugal, que é apontado como um dos países onde se registam menos incidências de ameaças online, juntamente com a Itália e Turquia. Mas também é verdade que aparece entre aqueles onde as crianças se sentem menos à vontade para reportar casos de risco.

O relatório detalha que o acesso a conteúdo de mensagens de ódio, incentivo à anorexia, uso de medidas e drogas ou suicídio estão no top da informação com que os jovens foram confrontados online, mas numa percentagem reduzida, que não ultrapassa a média de 21%, no total.

A classificação dos adultos para situações problemáticas pode também não corresponder à visão dos jovens. Como exemplo o estudo indica que 14% dos inquiridos já viu mensagens sexualmente explícitas na Internet mas apenas um terço dos jovens considera a experiência desconfortável.

Apesar do reduzido número de ocorrências relatadas, a confrontação com mensagens desagradáveis na Internet é identificada como uma situação dolorosa pelos jovens, que se dizem incomodados, mas não por muito tempo. 62% esquecem rapidamente o problema e apenas 2% se lembram dele vários meses depois do acontecimento.

Entre os entrevistados a Internet faz parte integrante dos hábitos, com 93% a navegar online pelo menos uma vez por semana, enquanto 60% se ligam à Internet diariamente. A média de tempo gasto na Internet fica entre meia hora e uma hora.

A utilização da Internet começa cada vez mais cedo: aos 7 anos na Dinamarca e na Suécia, comparado com 8 anos na maior parte dos países do norte da Europa. A grande maioria dos entrevistados usa a Internet em casa (87%), verificando-se que 63% acede em casa, 53% com amigos e apenas 42% com outros membros da família.

49% dos entrevistados usa a ligação a partir do seu quarto e 39% num espaço partilhado, uma prática recomendada pelos especialistas como mais favorável à identificação de situações problemáticas.

A maioria dos jovens europeus usa a Internet para se ligar a redes sociais, uma prática que se intensifica entre os mais velhos. 59% dos inquiridos tem um perfil em redes sociais, dos quais 26% são públicos. O número de utilizadores de redes sociais sobe para 81% entre os que têm 15 e 16 anos.

Mas os jovens são cada vez mais cuidadosos, sobretudo as raparigas, que têm mais tendência para proteger os seus perfis em redes sociais e em manter o círculo de amigos restrito aos conhecidos fora do ciberespaço.

As pessoas conhecidas, ou que têm ligações aos amigos, são também as mais frequentemente contactadas online, e só 25% dos jovens se envolvem em comunicações com estranhos, especialmente em chats, jogos ou mundos virtuais.

Entre os resultados consta ainda a conclusão que os pais e filhos se entendem melhor quanto à utilização da Internet do que da televisão, mostrando algum conhecimento das actividades online. Mesmo assim, metade dos educadores de crianças que encontraram ameaças na Internet não tinham conhecimento das mesmas.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.