A Polícia Judiciária, através da Unidade Nacional de Combate ao Cibercrime e à Criminalidade Tecnológica (UNC3T), desencadeou uma operação de combate ao cibercrime em várias zonas do país e deteve 25 suspeitos, cumprido 27 mandados de buscas domiciliárias e não domiciliárias, nos concelhos de Lisboa, Cascais, Amadora, Almada, Setúbal, Loures, Espinho e Porto.

A operação contou com a colaboração de várias outras unidades da Policia Judiciária, em articulação com a 3.ª Secção do DIAP de Cascais. A investigação começou em meados do ano de 2020 e em causa está a prática reiterada de crimes de burla informática, acesso ilegítimo, falsidade informática, falsificação de documentos, branqueamento e associação criminosa. Entre os suspeitos estão 20 homens e cinco mulheres, sendo 10 de nacionalidade portuguesa e 15 estrangeiros, com idades compreendidas entre os 20 e os 60 anos.

Polícia Judiciária reforça combate ao cibercrime e corrupção com 60% dos novos inspetores
Polícia Judiciária reforça combate ao cibercrime e corrupção com 60% dos novos inspetores
Ver artigo

O esquema fraudulento é conhecido como "CEO Fraud", em que os criminosos têm acesso ilegítimo a sistemas informáticos das empresas, para depois poder monitorizar e assumir a sua própria atividade comercial, refere a PJ no comunicado.  Os crimes foram cometidos sobretudo durante a pandemia de COVID-19, através de comércio internacional, aproveitando-se da expansão do e-commerce. Os suspeitos acederam através de campanhas de malware às caixas de email das empresas.

Os suspeitos criavam depois vários endereços de correio eletrónico fraudulentos, alteraram dados de pagamento e induziram as vitimas a efetuar transferências monetárias de valores elevados para contas bancárias controladas por si e que se destinavam ao branqueamento de capitais.

Os suspeitos criaram websites paralelos que simulavam as empresas existentes e que se dedicavam à comercialização de produtos de proteção individual, tais como luvas de látex, fatos de proteção, máscaras cirúrgicas e álcool-gel e após receberem o contacto das empresas interessadas, contactavam as mesmas por email ou telefone, fechando negócios com a condição da realização do pagamento antecipado.

A Polícia Judiciária diz que as transferências bancárias ocorriam para as chamadas “Contas Mulas”, que eram abertas para a prática destes crimes. As vítimas eram maioritariamente estrangeiras e nunca recebiam qualquer mercadoria. No total foram utilizadas cerca de 50 contas bancárias nacionais para o branqueamento de capitais, cujo prejuízo patrimonial apurado é já superior a 1,3 milhões de euros.

Os detidos vão ser presentes às autoridades judiciárias, para aplicação das medidas de coação.

De recordar que a Polícia Judiciária reforçou o seu contingente com 101 novos inspetores, sendo que 60% foram colocados no combate à corrupção, criminalidade económico-financeira e cibercrime. A PJ vai reforçar com mais 170 inspetores, 100 dos quais já em setembro, num total de 300 novos inspetores nos últimos anos.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.