A Comissão Europeia aprovou uma proposta que prevê a implementação de restrições ao discurso de ódio em várias redes sociais. Uma vez aprovado, o documento deverá determinar a eliminação de vídeos que promovam o terrorismo, incitem à violência ou à discriminação, publicados em sites como o Facebook, Twitter e YouTube.

Se passar no Parlamento Europeu, esta será a primeira lei europeia a atuar ativamente sobre as redes sociais.

Dos documentos aprovados durante a última reunião da Comissão constam ainda algumas medidas que obrigariam serviços de streaming de conteúdos multimédia, como o Netflix e o Amazon Prime Video, a constituir 30% do seu catálogo com filmes e programas televisivos europeus. Em adição, as empresas teriam ainda de ajudar a financiar a produção destes conteúdos nos países europeus em que operam.

Recorde-se que a Alemanha está a aplicar multas a todas as empresas que não removam conteúdos de incitamento ao ódio das suas redes sociais. O diploma deverá também ter em conta o crescimento dos movimentos nacionalistas na Europa e atenta assim contra a sua presença online.

Os documentos poderão ser aprovados em sede parlamentar, mas não sem enfrentar o argumentário daqueles que vão olhar para esta forma de atuar como um ataque à liberdade de expressão na internet.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.