Tuvalu corre risco de desaparecer devido à subida do nível do mar causada pelas alterações climáticas. O país insular está à procura de soluções para preservar a sua história e cultura e planeia criar um “gêmeo digital” no metaverso. 

Num discurso a propósito da 27.ª Conferência das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas (COP27), Simon Kofe, ministro dos Negócios Estrangeiros de Tuvalu, afirma que está na altura de encontrar soluções alternativas para a sobrevivência do país, realçando o papel da tecnologia no processo. 

Segundo Simon Kofe, a criação de um “gêmeo digital” ajudará a proteger o património do povo de Tuvalu, independentemente do que aconteça no mundo físico. “A ideia é continuar a funcionar como um Estado e, além disso, preservar a nossa cultura, conhecimento e história num espaço digital”, realça o ministro em declarações à Reuters.

O governo de Tuvalu está a reunir esforços para assegurar que o país insular continua a ser reconhecido internacionalmente como um Estado e que as suas fronteiras marítimas continuem a ser mantidas mesmo que as nove ilhas que o compõem acabem por ficar submersas.

Ao concretizarem-se os planos, Tuvalu poderá tornar-se num dos primeiros países a ter um “gêmeo digital” no metaverso. Ainda no ano passado, o país insular de Barbados também anunciou as suas intenções de dar os primeiros passos no metaverso para prestar serviços administrativos e consulares. Já a cidade de Seoul, na Coreia do Sul, anunciou também planos semelhantes e, em 2023, quer abrir uma câmara municipal virtual aberta ao público.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.