A rede social publicou um post no blog a detalhar os destaques do 12º Relatório Semestral de Transparência do Twitter, onde revela informações sobre as contas que foram removidas, consultas dos governos e solicitações de dados.

Nesse post, o Twitter revelou que removeu quase 275 mil contas com conteúdo terrorista entre 1 julho e 31 de dezembro de 2017 e que, embora isso represente menos 8,4% em relação ao período anterior, já foram banidas mais de 1.2 milhão de perfis desde agosto de 2015.

O Twitter disse ainda que 93% das contas eliminadas no segundo semestre de 2017 foram assinaladas por ferramentas internas e que quase três quartos foram suspensas antes do primeiro tweet.

Amnistia Internacional acusa Twitter de ser tóxico para as mulheres
Amnistia Internacional acusa Twitter de ser tóxico para as mulheres
Ver artigo

A rede social acredita que a diminuição do volume de suspensões se deve às medidas que tem levado a cabo para tornar o Twitter “um lugar indesejável para aqueles que querem promover o terrorismo”.

Recorde-se que o Twitter publicou um calendário de medidas a aplicar como forma de combate ao assédio e a abusos de outra natureza que possam ocorrer naquela rede social.

O objetivo deste projeto seria o de regular várias áreas cinzentas das políticas de utilização da empresa, desde a nudez não consensual à retórica violenta, passando ainda pela exibição de símbolos de ódio e pela transparência em torno da suspensão de contas.

Adicionalmente, o Twitter passou a suspender perfis de organizações que promovam a violência e proibir nicknames que sejam desrespeitosos com um grupo em particular.

Também a autenticação de contas no Twitter passou a ter novas regras, com a rede social a “rever as contas autenticadas” e a retirar o símbolo das contas àqueles “cujo comportamento não seguir as novas regras”.

O Twitter foi uma das gigantes tecnológicas que, juntamente com o Facebook, Microsoft e youTube, desenvolveu uma iniciativa conjunta com o objetivo de combaterem os conteúdos online que incitem ao terrorismo.

Sob a denominação Global Internet Forum to Counter Terrorism, as quatro empresas comprometem-se a colaborar no desenvolvimento de soluções mais eficazes, na investigação, na partilha de técnicas de classificação de conteúdos e na criação de métodos que permitam aos utilizadores denunciar estes conteúdos.

O objetivo final é transformar as redes sociais em espaços "hostis” para terroristas e extremistas.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.