http://imgs.sapo.pt/gfx/87338.gif

Da cooperação entre várias empresas europeias, como a portuguesa Macmoda, nasceu o "Fashion Me", um projecto comunitário que promete revolucionar a experiência de compra online de peças de vestuário, cuja apresentação oficial ao público decorreu recentemente no evento de moda Portugal Fashion.


O Fashion Me é um sistema combinado de hardware e software a 3D inédito a nível mundial, co-financiado pela União Europeia, que resulta de um consórcio estabelecido entre várias empresas e entidades europeias, nomeadamente as portuguesas Macmoda e Adetti, a Universidade de Estugarda, a Pixel Park, os franceses do Canal Plus, os gregos da Mellon Technology e os ingleses da AvatarMe.



Iniciado em Janeiro de 2001, o projecto pretende contribuir para ajudar a ultrapassar as principais objecções que normalmente se põem durante a compra de roupa via Internet, designadamente a impossibilidade de o utilizador experimentar as peças de vestuário antes de as adquirir.



Segundo Vasco Nina, director de marketing da Macmoda, em declarações ao TeK, àquela empresa portuguesa coube a definição dos requisitos a que o Fashion Me deveria dar resposta, bem como agora a experimentação e implementação da nova tecnologia.



A empresa tem assim na sua posse o Personater, uma espécie de cabina de prova que os internautas terão que visitar se quiserem ver criados os seus avatares - fotografias tridimensionais em formato digital - pessoais.



De acordo com Vasco Nina, a máquina vai passar a estar exposta nas lojas Macmoda presentes nos centros comerciais nacionais para que seja possível mostrar e explicar o seu funcionamento ao público e criar os avatares que depois serão disponibilizados online.



O processo de criação de um avatar implica a digitalização da volumetria do corpo (frente, costas e laterais esquerda e direita), após a qual é atribuído ao utilizador um cartão com o login e a password que posteriormente lhe possibilitará aceder ao seu "clone virtual", a partir do endereço www.macmoda.pt.



Ao entrar na nova "Zona Avatar" do site, o visitante inicia a experiência introduzindo a chave de acesso fornecida no cartão aquando da digitalização do seu corpo, podendo tornar-se o manequim de eleição no desfile interactivo dos produtos da Macmoda.



Embora inicialmente a Macmoda pensasse inaugurar a sua loja virtual ao mesmo tempo que disponibilizava online a plataforma Avatar, o primeiro projecto foi adiado, ou segundo Vasco Nina, "as prioridades foram invertidas". "O comércio electrónico deu uma volta muito grande, por isso agora estamos mais preocupados em dar a conhecer a nossa roupa online, a partir do site institucional da empresa", justificou o mesmo responsável. "Com os avatares vai ser possível aos utilizadores do nosso site transformarem-se nos próprios modelos do catálogo, podendo a partir de sua casa experimentar as peças que lhe agradam mais e quando se deslocam às lojas têm uma ideia mais concreta do que vão comprar".



Para quando existir um número suficiente de avatares criados, está prometida a inauguração de um espaço para jogos no site da Macmoda, onde os clones virtuais serão os personagens principais.



Em declarações ao TeK, Vasco Nina acrescentou ainda que o projecto Fasion Me mereceu um investimento global das partes envolvidas de 400 mil contos.



Patrícia Calé

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.