Num sector de procura crescente de profissionais qualificados, onde foi identificado um défice de 2 a 3 mil possíveis quadros nesta área, a ANETIE aponta a existência de um desfasamento entre a formação que é ministrada nas escolas e Universidades e as necessidades das empresas, que resultam num estrangulamento do sector.

A análise surge depois da identificação por parte da associação das empresas de tecnologias de informação e electrónica de um "Roadmap para a Competitividade", onde se elegem os recursos humanos como um factor crucial para o desenvolvimento do sector em Portugal.

Rui Melo, presidente da associação, explica que a ANETIE pretende que esta análise seja materializada numa fase de partilha com as Universidades e outras instituições de ensino e que o trabalho começa mesmo hoje, com a realização de um primeiro encontro com 10 universidades, politécnicos e escolas profissionais no sentido de transmitir as preocupações das empresas de TIE e apoiar o desenvolvimento de currículos que respondam de forma mais eficiente às suas necessidades.

Segundo o inquérito realizado junto dos associados da ANETIE, que representam 60% do mercado de TIE em Portugal, existem falhas graves a nível da formação não técnica, nas chamadas soft skills, onde se incluem a capacidade de comunicação, gestão por objectivos e gestão de equipas e liderança.

Fernando Fernández, que está envolvido no grupo de trabalho das competências da ANETIE e coordenou o inquérito, admite que a nível técnicos os alunos têm competências razoáveis mas que é preciso apostar noutras áreas. Estes défices de formação devem ser colmatados logo a partir do ensino secundário e não apenas nas universidades, recomenda.

Mostrando disponibilidade para trabalhar com as instituições de ensino na redefinição de currículos, e até mais cedo para atrair mais jovens às áreas de engenharia, a ANETIE traçou uma série de propostas para as Empresas, Universidades, Ensino Profissional e Ensino Básico e Secundário. "É importante que um conjunto de players entenda que este é um jogo que interessa a todos jogar", defende o presidente da associação.

Rui Melo admite que este é "um trabalho de uma geração", mas acredita que algumas medidas mais simples podem já ser implementadas de forma eficaz nos cursos universitários.

Para incentivar a mudança a ANETIE criou um prémio, Fórmula Profissionais TIC 2008, através do qual vai distinguir as entidades que se destacarem mais na redução do gap identificado na formação. O prémio ainda não está definido mas a iniciativa vai decorrer durante este ano.

Questionado pelo TeK sobre a possibilidade de identificar as instituições de ensino que melhor cumprem na formação de recursos adequados às necessidades das empresas, Rui Melo não afasta totalmente a ideia da ANETIE produzir um ranking das Universidades, ou, pelo menos numa primeira fase, divulgar quais as que estão a trabalhar com a associação e cumprem melhor os requisitos identificados no inquérito.

Notícias Relacionadas:

2008-01-15 - ANETIE identifica falha entre formação dos alunos e necessidades dos empregadores

2007-10-29 - Inquérito da ANETIE apura lacunas na formação de profissionais de TI

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.