A introdução de painéis solares nos lares dos portugueses como alternativa de fonte energética é cada vez mais comum. Mas até que ponto as pessoas tiram total partido da sua capacidade? É uma resposta que a startup Picma quer apresentar através da sua tecnologia Coulomb apresentada no evento Portugal Smart Cities Summit. O nome do sistema foi inspirado na unidade de medida da densidade de energia e pretende ser os “olhos” dos painéis solares.

O projeto Coulomb nasceu quando um dos quatro fundadores da empresa fez um investimento significativo num sistema de painéis solares, e notou passado um tempo uma quebra acentuada na produção energética. A partir daí passou a monitorizar os painéis para tentar perceber as razões dessa quebra. “Um dos fatores críticos para o rendimento dos painéis era a sujidade e a acumulação de detritos”, explicou Diogo Arreda, cofundador da Picma ao SAPO TEK, referindo que é possível perder até 70% da eficácia se os painéis não estiverem limpos.

 

Outros problemas que estão associados à quebra de performance são os vidros partidos dos painéis ou cabos soltos, por estarem colocados em locais onde as pessoas normalmente não têm acesso direto, já que os sistemas estão maioritariamente montados no telhado das casas, por exemplo. “Muitas vezes as pessoas nem se chateiam muito se o sistema está a trabalhar ou não a 100%, desde que esteja a funcionar”, refere o responsável da Picma.

É nesse sentido que o Coulomb pode ser aplicado, para ajudar as pessoas a monitorizar os seus painéis solares, de uma forma simples e intuitiva, refere a empresa. O sistema monitoriza os painéis de forma inteligente, registando toda a produção energética que produziu. Esses dados são cruzados com outras informações inseridas pela empresa, tais como as condições meteorológicas, o local onde se encontra instalado, as marcas dos painéis solares, a sua inclinação, e no fim faz um cálculo da produção espectável em condições perfeitas.

Das bicicletas à poupança de energia: as Smart Cities já estão a mudar a vida dos portugueses
Das bicicletas à poupança de energia: as Smart Cities já estão a mudar a vida dos portugueses
Ver artigo

A empresa explica que a diferença entre a produção espectável e aquilo que realmente está a produzir, dá liberdade para identificar as falhas do sistema e avisar o cliente sobre a eventual necessidade de manutenção ou limpeza dos painéis. “O nosso software identifica se a quebra na performance deriva do mau tempo ou uma falha mais preocupante no sistema, de forma mais detalhada possível, para ajudar o técnico da manutenção a resolver”, explicou Gonçalo Capela, o sócio responsável pela área de software.

O sistema Coulomb é composto por um pequeno hardware, aplicado entre os painéis solares e os inversores (o componente fotovoltaico que converte a energia solar em eletricidade). As informações recolhidas sobre a produção de energia solar são enviadas para a plataforma online. São depois aplicados os algoritmos aos dados e enviados para o cliente, que pode acedê-los remotamente em qualquer local onde tenha internet.

“O número de instalações de painéis solares tem aumentado 50-70% de ano para ano. Não só aplicações caseiras, mas também grandes empresas como o AKI, o IKEA ou o Leroy Merlin têm construídos sistemas em edifícios novos.”

“O nosso software é multiplataforma, correndo em telemóveis, tablets ou computadores, e o utilizador pode aceder ao site com a sua dashboard e verificar todo os dados da instalação dos painéis solares”, refere Gonçalo Capela. Segundo a empresa, o sistema de notificações permite identificar facilmente o problema, referindo exatamente qual o painel afetado, e o respetivo defeito. No caso de surgir algum problema, através do próprio software, o utilizador pode contactar imediatamente um técnico. Todas as marcas de painéis solares são abrangidas pelo sistema, além de garantir a compatibilidade total, já que as ligações são universais.

Embora a startup esteja ainda a arrancar, já garantiu duas grandes empresas com várias instalações, “onde vamos comprovar o valor do nosso produto”, afirma Diogo Arreda. Embora a tecnologia possa ser integrada nos painéis existentes, a empresa quer que o seu produto seja associado aos pacotes de oferta das grandes empresas nas instalações de raiz. E nesse sentido, a Picma já tem um acordo com um grande parceiro.

Os responsáveis da empresa afirmam que a sua tecnologia pode ser muito importante no conceito das smart cities ou cidades autossustentáveis, onde a energia gerada por painéis solares tenha um grande peso: “O Coulomb é um produto IoT bastante versátil, sendo fácil de escalar para outro tipo de tecnologia, embora o nosso foco atual sejam os painéis solares”, concluiu o engenheiro de software.

Questionada sobre a evolução do seu produto através de sistemas de IA e machine learning, capazes de conferir autonomia aos painéis para se autorregularem em função da posição do sol, por exemplo, a empresa afirma que embora não esteja ainda nesse nível, é algo que pode ser pensado no futuro se o mercado assim o ditar…