As metas ambientais, sociais e de governance (ESG) que as empresas estão cada vez mais a integrar, só podem ser alcançadas com o alinhamento das estratégias de negócio, sustentabilidade e tecnologia, mas apenas 7% das empresas revelam já essa integração, de acordo com um novo estudo da Accenture.

As 560 empresas ouvidas pela consultora nesta pesquisa, na sua maioria, classificam a tecnologia como importante ou muito importante para alcançar metas de sustentabilidade, mas boa parte delas identificam obstáculos para tirar partido dessas ferramentas nesta área. A falta de soluções e standards (40%), a complexidade (33%) e a falta de consciência das consequências não intencionais da tecnologia (20%) são os aspetos mais referidos como barreiras para atingir objetivos.

Esta divergência entre intenção e ação leva as empresas a fazer trade-offs entre metas de negócios e sustentabilidade”, refere a Accenture, concessões essas que “podem ser reduzidas ou eliminados com uma estratégia de tecnologia holística e sustentável”, acrescenta-se também, sublinhando o papel do CIO nesse processo e a importância de envolver estes profissionais nos processos de tomada de decisão, relacionados com a sustentabilidade.

Os dados apurados pelo Uniting Technology and Sustainability: How to Get Full Value From Your Sustainable Technology Strategy, mostram, no entanto, que essa ainda não é uma realidade na maioria das empresas. Só 49% dos CIO fazem parte da equipa de liderança que define metas de sustentabilidade da sua empresa e apenas 45% são avaliados no cumprimento destas metas.

Nesta linha, a Accenture identifica três imperativos fundamentais para o sucesso de uma estratégia de sustentabilidade nas organizações. Promover a sustentabilidade através da tecnologia é o primeiro.

Como destaca a consultora, a tecnologia pode ser usada para acelerar os esforços de sustentabilidade em toda a organização e as metas ambiciosas das empresas nesta matéria (92% das inquiridas neste estudo querem ser neutras em emissões de carbono até 2030) mostram que esse apoio vai ser necessário. As tecnologias avançadas vão ter um papel fundamental para medir, reduzir e remover a pegada de carbono das organizações. Serão também críticas para promover cadeias de valor responsáveis. Os dados apurados pela Accenture junto das empresas que participaram no estudo já mostram, aliás, que 70% das organizações que reduziram com sucesso as emissões na produção e nas operações, recorreram para isso à inteligência artificial.

Os dados e a IA estão na base das novas ferramentas de sustentabilidade ambiental da Google
Os dados e a IA estão na base das novas ferramentas de sustentabilidade ambiental da Google
Ver artigo

O segundo imperativo alinhado pela Accenture é a sustentabilidade na tecnologia. A consultora defende que a própria tecnologia usada nestes processos deve tornar-se cada vez mais sustentável. Só duas das 560 empresas inquiridas no estudo disseram que consideram a eficiência energética em todas as fases do ciclo de vida de desenvolvimento de software.

No relatório, a Accenture identifica uma estrutura de desenvolvimento de software verde, que prioriza áreas de emissões de materiais, incluindo o ciclo de vida de desenvolvimento de software, bem como experiência digital, cloud, edge, data centers, IA, DLT (distributed ledger technology) e infraestrutura verde.

60% das empresas usam “gémeos digitais” para alcançarem os seus objetivos de sustentabilidade
60% das empresas usam “gémeos digitais” para alcançarem os seus objetivos de sustentabilidade
Ver artigo

O terceiro e último imperativo eleito pela Accenture é a sustentabilidade em escala. Tem por base a convicção de que nenhuma organização pode enfrentar os desafios globais de sustentabilidade em escala, por conta própria. Isso pressupõe uma aposta que deve ir crescendo no trabalho com parceiros de ecossistema, para criar inovação disruptiva e desenvolver formas completamente diferentes e mais sustentáveis ​​de fazer negócios no futuro. Esta é uma tendência que a Accenture aliás já verificou, porque 43% das empresas inquiridas, que representam 11 indústrias em 12 países, estão em fase de adesão a colaborações na indústria, alianças e grupos de defesa focados em tecnologia eco-friendly.

“A tecnologia pode melhorar a transparência e rastreabilidade nas cadeias de abastecimento globais, ou até ajudar a medir e a reduzir as emissões de carbono”, destaca Sanjay Podder Managing Director, Technology Sustainability Innovation Global Lead na Accenture.

Deixou de ser opcional colocar a sustentabilidade no core de como as organizações operam. Uma estratégia de tecnologia sustentável ajuda as empresas a entregar valor 360° e a contribuir para o alcance das suas metas de sustentabilidade mais amplas”, frisa ainda o mesmo responsável, num comentário ao estudo.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.