A batalha “legal” entre a Epic Games, Apple e Google, iniciada em agosto do ano passado, está longe de conhecer o seu fim. Agora, a criadora do popular Fortnite alega em novos documentos legais que a gigante de Mountain View terá criado uma “task-force” para impedir que os utilizadores descarregassem a versão Android do jogo noutras plataformas que não a Play Store.

Em resposta ao processo aberto pela Google em outubro, a Epic Games, que cita documentos internos da empresa adversária, defende que a “task-force” foi criada logo após ter começado a disponibilizar a versão Android do jogo através da Galaxy Store da Samsung, assim como no seu próprio website a partir de 2018.

De acordo com a Epic Games, a “task-force” da Google tinha como um dos seus focos principais identificar potenciais problemas de segurança que resultassem da instalação da aplicação fora da Play Store. Embora a empresa dê aos developers um prazo de 90 dias antes de divulgar vulnerabilidades encontradas, no caso da Epic Games, foram dados apenas nove.

Google acusa Epic Games de violar as regras da Play Store e leva dona do Fortnite a tribunal
Google acusa Epic Games de violar as regras da Play Store e leva dona do Fortnite a tribunal
Ver artigo

A criadora do battle royale argumenta que a ideia por trás desta estratégia foi impedir que o jogo chegasse a outras lojas digitais, mantendo o domínio da Google em matéria de distribuição no mercado para Android, avança a Bloomberg. Os documentos legais submetidos pela Epic Games detalham ainda que os engenheiros da Google terão considerado a medida algo exagerada.

Do seu lado, a Google defende-se afirmando que a própria Epic Games lançou o jogo para Android com vulnerabilidades de segurança que poderiam comprometer os dados dos consumidores e sublinhando que vai continuar a lutar contra as alegações da produtora de videojogos em tribunal.

Já do lado da batalha entre a Epic Games e a Apple, o veredito foi conhecido em setembro. Além de determinar que a criadora de Fortnite teria de pagar uma indemnização à Apple, a justiça norte-americana decidiu que a empresa da maçã teria de passar a permitir opções de pagamento externas na App Store.

A decisão da juíza Yvonne Gonzalez Rogers não agradou à Apple, que a contestou em outubro de modo a atrasar o processo de mudança. Porém, o tribunal exigiu à empresa liderada por Tim Cook que cumpra a decisão e, numa nova ordem, a juíza que apreciou o caso sublinhou que a Apple não pode adiar a atualização das políticas da App Store.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.