"Nenhuma tecnologia atual tem um maior potencial para impulsionar a competitividade de Portugal do que a IA" É assim que começa o post assinado por Bernardo Correia, Country manager da Google Portugal, onde destaca um novo relatório, encomendado pela empresa à Public First. O responsável pela Google em Portugal tinha partilhado no Portugal Digital Summit o potencial das novas ferramentas, capazes de criar um fado em ucraniano ou ensinar robots a jogar à bola.

Segundo os dados partilhados, a IA generativa poderá aumentar a dimensão da economia portuguesa em 15 mil milhões de euros (ou o equivalente a 8% do Valor Acrescentado Bruto ou 6% do Produto Interno Bruto) e poupar, em média, mais de 80 horas por ano a cada trabalhador – o equivalente a duas semanas de trabalho.

"Ao ajudar todos em Portugal a concentrarem-se em tarefas mais produtivas e criativas, a IA pode acelerar o crescimento económico e, por sua vez, a trazer progressos nos desafios sociais", refere Bernardo Correia.

O executivo lembra porém que, embora a IA possa ser uma oportunidade transformadora para a economia portuguesa, o facto de garantir que as ferramentas certas estão disponíveis para as grandes e pequenas empresas, será crucial para garantir que maximizamos as suas oportunidades.

Google prepara-se para dar memória ao Bard. Chatbot vai lembrar-se de detalhes e preferências
Google prepara-se para dar memória ao Bard. Chatbot vai lembrar-se de detalhes e preferências
Ver artigo

Os dados em relação ao interesse e aceitação dos profissionais seguem em linha com os que já foram divulgados pela Microsoft. A Public First indica que "86% dos trabalhadores em  Portugal pensam que as ferramentas generativas de IA irão ajudá-los a ser mais produtivos, sendo que este valor sobe para 91% por parte dos  trabalhadores de escritório"

A prevenção dos riscos é também sublinhada, em especial na melhoria das competências dos trabalhadores em matéria de cibersegurança, referindo-se que Portugal poderia mitigar 690 milhões de euros de riscos de cibersegurança.

"Uma das maneiras que a Google pode ajudar é disponibilizar ferramentas úteis. O relatório estima que a Pesquisa e os Anúncios da Google apoiaram em 400 milhões de euros em exportações para a economia portuguesa no último ano", indica Bernardo Correia no post hoje publicado.

Entre criar um fado em ucraniano e ensinar robots a jogar à bola, a IA “está capaz” de tudo
Entre criar um fado em ucraniano e ensinar robots a jogar à bola, a IA “está capaz” de tudo
Ver artigo

"Com base no tempo poupado, em média, a um trabalhador pela Pesquisa Google e pelo Google Workspace, estima-se que, num determinado ano, os serviços Google estão a produzir uma melhoria de 11,6 mil milhões de euros na produtividade dos trabalhadores para a economia de Portugal".

Na estimativa total, o post refere que a "Google contribuiu para a criação de mais de 86,000 empregos locais no ano passado em empresas terceirizadas".

Bernardo Correia destaca ainda alguns dados do estudo e da confiança dos utilizadores na IA, mas também a necessidade de formação e competências digitais dos profissionais. 

"Este é um momento vital de aceleração para trabalharmos juntos. A IA tem o potencial para nos ajudar a construir uma sociedade melhor, mais justa e mais saudável — e para apoiar a competitividade e o crescimento inclusivo. Cabe-nos a todos fazer com que isto aconteça: trabalhar com ousadia, com responsabilidade e em conjunto", sublinha.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.