Com a fusão as duas empresas passam a controlar 35% de um mercado que, embora maduro, encerra um elevado potencial de crescimento, tendo em conta, por exemplo, o ainda reduzido peso dos smartphones, com uma taxa de penetração de 27%, que antecipam um forte crescimento das comunicações de dados.


A nível financeiro a operação de concentração permitirá às empresas criar sinergias no valor de 5,5 mil milhões de euros e, para além da liderança do mercado em número de clientes, garante ainda a segunda posição daquele mercado em termos de receitas. O primeiro lugar pertence à Vodafone.


De acordo com a informação revelada pelas empresas, o negócio concretiza-se num misto de pagamento em dinheiro e ações. A Telefónica entrega 5 mil milhões de euros à KPN, mais uma participação líquida de 17,6% na Telefónica Deutschland, o seu operador no mercado alemão. Nesta troca de ações a operadora espanhola entrega 24,9% da divisão alemã à KPN e recompra 7,3% dessa posição por um valor de 1,3 mil milhões de euros.


O negócio que transforma a Europa no segundo maior operador móvel europeu em número de clientes e também em receitas terá agora de ser avaliado pelos reguladores da concorrência.

Embora não sejam esperados entraves de maior à concretização, o acordo assinado entre as duas empresas fixa um valor de indemnização de 100 milhões de euros, que a Telefónica terá de pagar à KPN se os reguladores chumbarem a aquisição.

Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.