Amanhã, dia 15 de fevereiro, um asteroide vai passar "bem perto" da Terra como refere a NASA. Em termos comparativos, o 2012 DA 14 como é conhecido vai ficar dez vezes mais próximo do planeta do que a distância que separa os terrestres da Lua.

Os cálculos dos físicos e astrónomos não mostram qualquer tipo de perigo de embate entre o asteroide e o planeta azul, mas podem representar uma ameaça concreta para os satélites de meteorologia e telecomunicações. A distância a que o 2012 DA 14 vai passar a Terra é tão curta que vai atravessar o anel onde estão instalados os satélites artificiais.

A agência espacial norte-americana fala num recorde de aproximação entre um objeto deste tamanho - 45 metros de diâmetro - e o planeta. No auge da passagem, os dois corpos celestes vão estar separados por 28 mil quilómetros. À hora de publicação deste artigo faltam cerca de 30 horas para o ponto de aproximação mais curto e cerca de 428 milhões de milhas até que o 2012 DA 14 atinja essa marca.

Em Portugal o asteroide pode ser visto com o recurso a binóculos ou telescópios destinados a observadores amadores. Vai ser mais um ponto luminoso no céu, mas que se desloca na direção da constelação de Virgem, e que pode ser observado entre as 19:40 horas em território continental e as duas horas da manhã do dia seguinte.

Os menos sabidos podem fazer recurso a aplicações "interestelares" que transformam os smartphones em verdadeiros mapas celestiais. O Google Sky Map para Android, o Star Chart para iOS ou Windows Phone, e o Stellarium para BlackBerry são apenas algumas das opções que estão disponíveis e que ajudam a orientação no céu.


Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.