Por Francisco Jaime Quesado (*)

Cumprem-se dez anos sobre a morte de Diogo Vasconcelos. Uma morte inesperada, que a todos deixou perplexos. O Diogo foi sobretudo um exemplo. E os exemplos mais do que nunca importam em Portugal neste tempo incerto e complexo que estamos a viver com a pandemia. O Diogo soube como ninguém dar o seu melhor pelo projeto de um Portugal Inovador e Ambicioso e a honra dos que como eu fizeram parte do seu círculo de amigos mais próximos vai ficar para sempre na memória das coisas que vale sempre a pena recordar. O Diogo era uma pessoa com uma inteligência rara, uma visão única do futuro, que dedicou toda uma vida de conhecimento e sabedoria a interpretar a realidade dum país que amava e que sabia que não se conseguia encontrar com o futuro. Relembrar o Diogo, através deste livro obrigatório sobre a sua vida e obra, é agradecer o empenho que sempre pôs em que nunca perdêssemos a ambição de agarrar o futuro.

O Diogo defendia fortemente uma cultura empreendedora para  Portugal. O Diogo percebeu de forma feliz que só com um choque de inovação e de competitividade seria possível à nossa economia e sociedade ganhar a batalha da relevância nos mercados internacionais. E com o sentido de inteligência que lhe era reconhecido deu o seu melhor em diferentes contextos – públicos e privados – pela defesa intransigente de uma agenda colaborativa de competência que nos permita sermos melhores num contexto de maior abertura e partilha da informação e do conhecimento. Sempre rodeado de amigos e de todos aqueles que davam sentido à sua absoluta convicção no papel das redes inteligentes em darem mais sentido ao que somos, ao que fazemos e ao que podemos vir a ser e fazer.

O Diogo era um homem da Inovação. A falta de ambição e de um sentido de futuro, sem respeito pelos factores “tempo” e “qualidade” não era para O Diogo tolerável nos novos tempos globais. Segundo as suas sábias palavras, precisamos de novas ideias, de novas soluções, de projectar na sociedade o exercício da responsabilidade individual de forma aberta e participada. O Diogo era um homem onde a vontade de fazer coisas novas e diferentes corria à velocidade do som. Diogo  soube melhor do que ninguém interpretar o sentido do tempo e a importância de se ser diferente num mundo onde tudo é cada vez mais igual. Sempre dissemos que o Diogo era o melhor entre nós e essa é uma referência clara que passado este tempo nos ajuda e sobretudo obriga a ser sempre cada vez melhores.

O Diogo era um homem da Sociedade do Conhecimento. A ausência da prática de uma cultura de cooperação tem-se revelado mortífera para a sobrevivência das organizações e também aqui  o Diogo  foi sempre muito claro. Na Sociedade do Conhecimento sobrevive quem consegue ter escala e participar, com valor, nas grandes redes de decisão. Num país pequeno, as empresas, as universidades, os centros de competência  têm que protagonizar uma lógica de cooperação positiva em competição  para evitar o desaparecimento. Foi com o Diogo que em vários momentos – no associativismo, no Jornal Universitário, em muitos projetos públicos e privados ao longo dos anos – aprendi a importância desta prática que passou a ser uma referência ao longo dos anos.

O Diogo defendia que cabia às empresas o papel central na criação de riqueza e promoção duma cultura sustentada de geração de valor, numa lógica de articulação permanente com universidades, centros I&D e outros atores relevantes. São por isso as empresas essenciais na promoção de uma cultura de valor partilhado, assente num princípio de inteligência coletiva e inovação aberta que mobilize a nossa sociedade para um sentido de modernidade e de confiança no futuro. Não deixa de ser curioso que num momento em que depois desta pandemia voltamos a discutir o futuro do país – com o modelo que devemos utilizar e o papel que instrumentos como o PRR devem ter neste processo – a mensagem do Diogo seja tão atual e oportuna, pela sua objetividade e clareza.

We are what we share – o Diogo  foi a voz mais genial e inovadora de uma geração. Uma geração que não se resigna à passividade e que sempre pactuou pela ambição da diferença. Conheci o Diogo em plena vida universitária e partilhámos durante todos estes anos experiências e cumplicidades únicas. A vida do Diogo foi uma vida rápida mas com sentido. Todos nós nos podemos orgulhar de ter feito parte dela. Tenho muito orgulho em ter sido amigo do Diogo e de ter no seu exemplo um referencial único que faz neste tempo de crise e de incerteza dar algum sentido à vida. Muito obrigado Diogo por nos ensinares a saber partilhar o que temos, aprender com os outros e sobretudo acreditar que é com competência e confiança que podemos aspirar a ser cada vez melhores num tempo em que não podemos – como tu nunca pudeste – desistir.

( *) Economista e Gestor – Especialista em Inovação e Competitividade

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.