Que futuro para o Plano Tecnológico?
Por Francisco Jaime Quesado (*)

O Plano Tecnológico cumpre quatro anos. Aproveitando o início de um Novo Ciclo de Governação, a Agenda de Mudança que o Plano Tecnológico tem uma oportunidade única para se impor através de uma nova solução com maioridade política e efectivo reconhecimento social.

O Plano Tecnológico não é um Power Point, como se pretendeu em tempos assumir, mas o certo é que as dinâmicas de resultados que os indicadores pretendem apresentar não correspondem à realidade das nossas empresas e dos nossos cidadãos. O Plano Tecnológico precisa de ser acompanhado por um “choque operacional” e só terá sucesso se for acompanhado de um “plano de pedagogia activa” ao longo do país e com a participação activa dos agentes económicos e sociais.

[caption]Jaime Quesado[/caption]

Neste novo ciclo que agora começa, o Plano Tecnológico tem que ganhar a maioridade da sua relevância estratégica nacional. Tem que conseguir dar resposta às questões que continuam por responder:


  1. O modelo de criação de valor na maior parte dos sectores económicos do país continua a enfermar da falta de “leitura” estratégica dos novos drivers do crescimento – a “mecânica” de Porter e de outros discípulos da competitividade ainda não está suficientemente internalizada na prática da maior parte das empresas que a montante (utilização de recursos) e jusante (integração nos circuitos comerciais internacionais) patenteiam ainda falhas estruturais incompreensíveis;

  2. A dimensão social do paradigma nacional está esgotada. Novos desafios exigem soluções pragmáticas e claramente que a integração social e fomento da empregabilidade, próprios duma sociedade justa e equilibrada, têm que assentar na sustentabilidade do mercado económico e não (apenas) em dinâmicas artificiais de política pública meramente conjunturais. A justiça social potenciada pelo emprego tem que assentar na capacidade dos actores sociais criarem aquilo que recebem, para que o sistema funcione de forma sustentada;

  3. A aposta na Inovação Tecnológica tem que ser lida a partir do mercado e da fase final da Cadeia de Valor. Criar novos produtos e serviços, melhorar processos, qualificar a utilização dos circuitos internacionais, dando-lhes dimensão e escala, é o caminho exigido por quem procura. Continua a haver uma utilização inadequada de recursos e esforço em I&D a partir da Oferta, quando o pragmatismo da Economia Global o que exige é respostas claras, atempadas e marcadas pela criatividade.

  4. A relação dos Cidadãos com o Estado tem que duma vez por todas ser clara, transparente e eficaz. Numa sociedade sem tempo, exigem-se respostas rápidas, simples e sobretudo potenciadoras do “valor” mais importante que é a noção da qualidade de vida no exercício do direito da cidadania. Por isso, importa qualificar e sustentar essa relação, cabendo ao Estado o papel central de criação das condições de salvaguarda dessa relação.


Num tempo global cada vez mais difícil, as pessoas e as empresas precisam de soluções. As Agendas de Mudança, como a que o Plano Tecnológico pretende protagonizar, não se podem fazer por decreto. Impõem um “sentido de urgência” em que a vontade da participação de todos e a capacidade de apresentar alternativas com sentido tem que ser o “enabler da diferença”. É aí que o Plano Tecnológico ainda não conseguiu totalmente os seus resultados, ao fim de quatro anos. Mostrar a Portugal que há uma oportunidade de reinvenção de identidade que tem por base as capacidades dos portugueses na implementação de um Modelo Estratégico de Desenvolvimento diferente e com outros resultados.

(*) gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.