Em 2014 a BitSight decidiu investir na portuguesa AnubisNetworks e instalou em Portugal o seu hub para a Europa, Médio Oriente e África, que tem vindo a crescer e que já conta com mais de 230 pessoas. Mas o objetivo é continuar a crescer o negócio, como foi perceptível na conferência BitSight Xperience, que se realizou em Lisboa e da qual o SAPO TEK foi media partner.

Em entrevista, Stephen Boyer, que se mudou recentemente para Portugal, detalha as razões que justificam o investimento e os planos de crescimento. “Encontrámos em Portugal pessoas com muita competência técnica, que falam bem inglês e o país está a uma distância relativamente pequena de Boston [a sede da BitSight], com 5 horas de diferença horária”, afirma o co-fundador da BitSight e CTO da empresa, lembrando também que o país é lindo e tem uma gastronomia incrível.

“Estamos cá há 8 anos e a Europa é a nossa geografia com maior crescimento, dada a procura que vemos há uma oportunidade para continuar o crescimento”, defende Stephen Boyer, admitindo que num espaço curto de tempo pode duplicar o número de recursos.

“Estamos a recrutar de forma muito agressiva”, afirma, apontando oportunidades não apenas nas áreas técnicas mas também de línguas, vendas e suporte.

A liderar o negócio da EMEA a partir de Portugal, Stephen Boyer admite que a região da África está ainda num nível muito reduzido de cibersegurança. “Trabalhamos com alguns países, mas têm poucos recursos e estão a começar”, admite, referindo porém que a África do Sul está mais avançada e já com algum potencial.

Num negócio baseado em informação, que permite a construção de ratings de cibersegurança que são instrumentos de decisão para as organizações mas também cada vez mais indicadores com reflexo económico, a BitSight está também a fazer evoluir o negócio com a Moody’s que investiu na empresa.

Stephen Boyer defende que a BitSight quer ter indicadores mas também explicá-los melhor para ajudar a tomar decisão. “Vamos dar informação para avaliação do risco e decisão de correção, e para as pessoas poderem ter dados que transformam em ações de correção”, afirma, mas garante que o objetivo não será implementar as soluções. “No futebol também é preciso ter um árbitro. Não pode estar a jogar para uma das equipas”, defende, lembrando que a Moody’s também tem esse modelo nos indicadores financeiros.

Prioridade para a cibersegurança

Nos últimos anos a cibersegurança ganhou maior importância na avaliação de risco das organizações. “O facto de estar no top 3 das prioridades das empresas é uma grande mudança. Há 10 anos nem estava no top 10, agora é uma prioridade e essa é uma das grandes mudanças a que assistimos”, justifica o CTO da BitSight.

Numa análise da maturidade das empresas perante a cibersegurança Stephen Boyer reconhece que não existe risco zero. “O que vemos é que as organizações que são muito boas a fazer os básicos bem têm menos possibilidade de se encontrarem em situações mais difíceis”, afirma, lembrando que para além das ferramentas e frameworks que existe também podem ter ajuda dos governos, que em alguns casos estão a tomar medidas mais proactivas, como acontece na Bélgica.

“Acho que vai haver diferentes modelos para a colaboração entre os governos e as empresas”, explica, admitindo que ao contrário do que diz respeito à segurança física, onde existem polícias e militares, na cibersegurança as empresas estão muito sozinhas a enfrentar estes desafios.

A questão de diferentes culturas e visões de ambientes de partilha mais ou menos abertura de informação foi também abordada, mas o co-fundador da BitSight admite que “sinto que precisamos de novas soluções. Cada país vai ter de decidir com o que está confortável, alguns têm mais desconfianças do governo, mas se as organizações conseguirem ter confiança no governo pode haver muito progresso”.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.