Um relatório apresentado pela Which?, um grupo independente britânico de defesa do consumidor, refere que a Apple exagera consideravelmente a duração da bateria atribuída oficialmente a determinados modelos de iPhone.

Para levar a cabo a realização destes testes, a Which? cronometrou o tempo de duração que os smartphones totalmente carregados aguentavam em chamadas telefónicas contínuas, comparando depois esse tempo com aquele indicado pelos fabricantes nos seus sites oficiais.

A equipa da Which? testou nove modelos diferentes de iPhone, tendo concluído que todos ficaram aquém das promessas da Apple, com desvios que podem variar entre os 18% e os 51%. O caso mais evidente foi o do iPhone XR - o site da Apple afirma poder oferecer até 25 horas de conversação, mas segundo o teste da Which? não foi além das 16 horas e 32 minutos.

6 sinais de que tem de substituir a bateria do seu iPhone
6 sinais de que tem de substituir a bateria do seu iPhone
Ver artigo

Já em 2017, a empresa de Cupertino viu-se envolvida numa polémica relacionada com o viciamento das baterias e diminuição de performance dos iPhones através de atualizações do iOS, de forma a incentivar os seus clientes a adquirir novos modelos. A Apple acabou por reconhecer o erro, procedendo a uma campanha de substituição das baterias.

Em resposta ao relatório da Which?, a Apple declarou: "os nossos produtos são testados rigorosamente e mantemos as nossas afirmações relacionadas com o tempo útil da bateria. A nossa metodologia de teste foi concebida para gerir de forma inteligente a utilização de energia de forma a maximizar a vida da bateria, com uma forte integração entre hardware e software. A Which? não partilhou a sua metodologia connosco, logo, não podemos comparar os resultados obtidos com os nossos".

Está a carregar corretamente a bateria do smartphone? Especialista e marcas não estão em sintonia
Está a carregar corretamente a bateria do smartphone? Especialista e marcas não estão em sintonia
Ver artigo

Para além dos iPhones, a Which? testou mais de 50 smartphones de outras marcas, como Samsung, HTC ou Sony. Os resultados mostraram que o tempo médio de conversação dos telemóveis da HTC foi 5% inferior ao declarado pela fabricante de Taiwan. No sentido inverso, o estudo determinou que marcas como Samsung, Nokia ou Sony subestimaram o tempo de conversação dos seus dispositivos, sendo este superior ao indicado oficialmente.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.