Embora o Mobile World Congress tenha sido cancelado devido ao surto de Coronavírus (COVID-19), a fabricante manteve-se fiel ao seu calendário tecnológico e revelou em Barcelona os próximos equipamentos da marca a chegar ao mercado ocidental. A fabricante vai lançar o dobrável Mate Xs no ocidente, mas também um novo tablet e novos portáteis mostrados num evento que decorreu no Pavilhão Italiano, como previsto, mas com Richard Yu, CEO da área de consumo, em palco através de streaming, depois de uma apresentação que foi gravada ontem e que era possível acompanhar através de uma transmissão em direto.

Em dezembro de 2019, Richard Yu já tinha dado a conhecer que o  Mate Xs poderiam chegar a tempo da feira tecnológica em Barcelona. No que toca ao que poderá existir por baixo do “capot” do smartphone dobrável, previa-se que o dispositivo cheguasse com o Kirin 990 5G, o que se confirmou. Depois das polémicas em torno do Samsung Galaxy Fold, a fabricante chinesa decidiu também melhorar o sistema de dobradiças, assim como o próprio ecrã dobrável, para além da atualização do SoC.

Huawei Mate Xs confirmado na Europa 2.499 euros no próximo mês

A Huawei continua a marcar passo para o lançamento global do Mate X, o smartphone dobrável que já está à venda na China. O dobrável foi apresentado no ano passado no MWC, mas a primeira "fornada" foi vendida exclusivamente na loja online da empresa e esgotou em menos de um minuto, em novembro do ano passado, ainda que fosse uma edição limitada. Na altura, a marca referiu que estava a rever o seu plano de lançamento mundial do Mate X tendo em conta a chegada do 5G às diferentes regiões do mundo. Mas agora é o Mate XS que toma a liderança, com uma versão melhorada do dobrável da Huawei.

A conferência em Barcelona começou mesmo com um teasing do Mate XS. Andrew Garrihy subiu ao palco para dar as boas-vindas aos que viajaram até Barcelona para a conferência dos novos produtos, prometendo aos presentes um primeiro contacto com as novidades. "2020 vai ser um grande ano para a Huawei, para os nossos clientes, parceiros e toda a comunidade, com a possibilidade de conectamos ainda mais gente com hardware que vai ser definidor, seja smartphones, computadores ou equipamentos IoT", destaca. A empresa promete a combinação perfeita entre software e hardware nos equipamentos do seu catálogo. E promete dispositivos seguros, mas também mais divertidos.

Richard Yu, CEO da Huawei para a área de consumo fez uma entrada virtual no evento para a apresentação, via streaming, e começou com números de 2019. A empresa estima um crescimento de 18%, em comparação a 2018, chegando ao número 2 a nível global, distribuindo mais de 240 milhões de equipamentos nas lojas. A área de PC cresceu 200%, os wearables 170% e o audio wirelress 200%, números promissores para a empresa. Destacou ainda o investimento em investigação e desenvolvimento, em mais de 15 mil milhões de euros. "Investimos muito dinheiro em tecnologia no ano passado, e em janeiro, a empresa refere que tinha colocado na rua mais de 10 milhões de equipamentos 5G.

A Huawei tem uma combinação 1+8+N, uma fórmula que significa que com um smartphone pode partilhar conteúdos para oito equipamentos, via 4G/5G, para vídeos, jogos, projetores, impressoras, e outros outputs. Confirma assim o MateX MatePad, MateBook, novidades em Wi-fi.

Com “asas de falcão” e sem Google Mobile Services, conseguirá o Mate Xs “voar” na Europa por 2.499 euros?
Com “asas de falcão” e sem Google Mobile Services, conseguirá o Mate Xs “voar” na Europa por 2.499 euros?
Ver artigo

Relativamente ao Mate X, Richard Yu sublinha que é considerado pela empresa o primeiro smartphone dobrável 5G, assim como o mais fino quando fechado, com 11 milimetros e 17,1 mm na dobra. Mas a novidade agora é a chegada do Huawei Mate Xs, com um design mais resistente, uma melhor perfomance, com 8 polegadas de dimensão quando aberto, a traseira com 6,38 polegadas e a frente com 6,6 polegadas.

É baseado num metal líquido baseado em zircónio, e promete ser 30% mais forte que uma liga de titânio. O chipset foi atualizado para o Kirin 990 5G, prometendo mais 23% de perfomance que a versão anterior, assim como poupança de energia. O smartphone promete ainda oito bandas de conectividade 5G, ou seja, o dobro do modelo anterior. A informação adiantada refere que a bateria também tem mais 21% de autonomia, conseguindo carregar 85% em 30 minutos.

MWC 2020: Esperava-se um “oceano de pessoas” mas a Fira Barcelona é um autêntico deserto
MWC 2020: Esperava-se um “oceano de pessoas” mas a Fira Barcelona é um autêntico deserto
Ver artigo

Relativamente às câmaras, o Mate Xs tem um sistema de quatro lentes da Leica, incluindo uma principal de 40 MP, uma telefoto de 8 MP uma 16 MP ultra-wide e uma ToF Câmara para efeito de profundidade 3D. O software tem o sistema operativo EMUI 10 com Android 10, incluído no XS. Entre as funcionalidades, tem um sistema de janela dupla no mesmo ecrã quando aberto, o que permite arrastar de um lado para o outro os conteúdos.

Tablet MatePad Pro 5G confirmado a começar nos 549 euros

O novo tablet da Huawei oferece um ecrã com resolução de 2.560x1.600, de 10,8 polegadas, com uma cobertura de ecrã de 90%, maior que os rivais iPad Pro, refere Richard Yu, possuindo ainda um sistema de quatro canais de som, com bass ressonante. Tem ainda um sistema de quatro microfones ao longo da sua lateral, e na área da câmara um sistema de cancelamento de ruído. Tem capacidade para correr jogos AAA no tablet, e um sistema de carregamento supercharge de 40W, e 27W de carregamento wirelress.

A empresa refere que tem um novo sistema de visualização em landscape, capaz de colocar duas janelas lado a lado, ficando ao critério do utilizador definir qual dos lados ocupa mais área no ecrã. A Huawei refere que está a utilizar o Open UIKit para os produtores, com alguns "mimos" como Zero Re-coding e configurações simples. Poderá ainda operar o smartphone no tablet, arrastando conteúdos entre os equipamentos, numa colaboração multiscreen.

Como acessório, o tablet vem acompanhado com um teclado de 1,3 mm wireless, com emparelhamento automático, e uma possibilidade de utilização de 60/70 graus. Tem ainda a Huawei M-Pencil, com 4.096 níveis de sensibilidade de pressão, fazendo tilt para shading e sem erro de enganos por tocar com os punhos no ecrã. A empresa adianta que o tablet permite escrever e pintar de forma livre e fluída.

Huawei  MateBook X Pro - uma experiência "borderless" a começar em 1.499 euros

Outra novidade que a fabricante tinha na “calha” era também a chegada de um novo computador portátil. Em entrevista ao SAPO TEK em dezembro de 2019, Tiago Flores, responsável comercial para a área de consumo na Huawei, confirmou que o MWC 2020 seria um momento importante para anúncio de novidades no segmento dos PC. Em questão está o lançamento dos novos MateBook X e MateBook, ambos com processadores Intel.

E foi mesmo revelado o MateBook X Pro, um computador com ecrã tátil e um ecrã de 3000x2000 de resolução, prometendo um baixo consumo. Tem uma palete de cores 100% SRGB. O seu processador é a última geração de Intel. Tem ainda a capacidade de partilha em toda a família MateBook, incluindo tarefas multi-screen.

Huawei "triplica" esforços no mercado dos computadores portáteis
Huawei "triplica" esforços no mercado dos computadores portáteis
Ver artigo

Foi ainda mostrado o MateBook D15, um portátil de 15,6 polegadas e o D14 de 14 polegadas, disponíveis em duas cores. Há ainda versões baseadas no processador AMD Ryzen 7. Os computadores têm um botão de energia com sensores biométricos de impressões digitais, com um chip independente para segurança. A marca promete ainda uma câmara embutida no próprio chassis, que pode ser encolhida quando não é utilizada. O carregador permite não só carregar o computador, como um smartphone. Esta gama de computadores começa nos 649 euros.

Numa conferência longa, e com muitas novidades, a Huawei mostrou ainda as suas soluções de Wi-Fi 6+, prometendo routers mais rápidos, com quad-core e capacidade de partilha via toque. O router 5G CPE Pro 2 é a resposta para a nova geração de conetividade para o consumidor. A empresa mantém uma grande aposta em sistemas IoT, apresentando um novo módulo 5G, o MH5000 para tudo o que diga respeito a equipamentos ligados à Internet das Coisas.

Richard Yu assumiu ainda que a AppGallery da Huawei está mesmo para ficar, revelando estar presente em 170 países. O executivo afirma que os programadores têm assim três opções na produção de aplicações, ao lado do App Store da Apple e a Google Play da Google. A Huawei apresentou ainda o sistema Quick App, uma forma mais rápida de aceder a aplicações, utilizando o mínimo possível de memória do sistema. Para o lado dos produtores, a novidade é o novo HMS 4.0, o dev kit para produção, que traz mais ferramentas e que quer aliciar os developers a portarem mais apps para o ecossistema Huawei.

Nota da Redação: A notícia foi atualizada ao longo da conferência. Última atualização 16h22.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.