A Meta, a casa-mãe do Facebook, também tem vindo a investir na área da robótica e uma nova patente dá agora a conhecer mais detalhes sobre os planos da empresa liderada por Mark Zuckerberg.

De acordo com a patente, a empresa tenciona desenvolver um olho mecânico que poderá fazer parte de um equipamento, descrito como um “dispositivo animatrónico”, que tem como objetivo seguir os movimentos oculares dos utilizadores.

Clique nas imagens para mais detalhes

A documentação indica que o olho mecânico em si seria concebido para se assemelhar a um olho humano, contando com uma iris colorida e uma pupila.

A patente menciona ainda o desenvolvimento de uma cabeça robótica que imita os movimentos faciais, coberta por um material semelhante à pele humana, que seria acoplada a um corpo sintético. Embora não seja descrito qual seria o seu propósito é indicado que todo este conjunto seria criado de modo a parecer autêntico a um utilizador.

Esta é a luva que vai utilizar para sentir os objetos virtuais do metaverso de Mark Zuckerberg
Esta é a luva que vai utilizar para sentir os objetos virtuais do metaverso de Mark Zuckerberg
Ver artigo

Como avança o website Business Insider, o rastreio de movimentos oculares é um elemento importante para o desenvolvimento as aplicações de realidade aumentada e virtual do Facebook, tal como demonstram outras patentes submetidas pela empresa ao longo do último ano, poderá ajudar a renderizar mais rapidamente as imagens e experiências 3D no seu metaverso.

Ainda em novembro do ano passado, a Reality Labs, a divisão da Meta responsável pelas experiências de realidade virtual e aumentada, deu a conhecer que está a tentar recriar o sentido de tato dentro do metaverso com a criação de luvas sensíveis ao toque.

Clique nas imagens para mais detalhes

As luvas registam os movimentos das mãos dos utilizadores para reproduzir nuances de sensações complexas, tais como a pressão, a textura e a vibração: tudo para criar o efeito de sentir objetos virtuais.

Para explicar como tudo pode vir a funcionar, a Reality Labs deu o exemplo de dois amigos a jogar um puzzle virtual em 3D, usando os seus avatares “ultrarealísticos”. Ao pegar na peça do puzzle da mesa, os dedos automaticamente deixam de mexer porque sentem o aperto do objeto. Os utilizadores sentiriam as formas das arestas dos cartões do jogo e a suavidade da sua superfície quando aproximam os mesmos.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.