O projeto é da autoria de um grupo de estudantes suíços e inspira-se não apenas no movimento humano em ambientes de baixa gravidade, como a Lua, onde os passos dão lugar a projeções do corpo que parecem saltos. Mas também na técnica de movimento rápido de vários animais, que ao correm levantam as quatro patas do chão em simultâneo.

O robot chama-se SpaceBok e o objetivo é que venha a ser um novo aliado da exploração espacial. Os testes no centro da ESA na Holanda servem para aperfeiçoar a máquina e investigar o potencial deste “andar dinâmico” em ambientes de baixa gravidade, como a Lua, Marte ou mesmo asteróides.

Robot assistente de astronautas voa pela primeira vez no espaço
Robot assistente de astronautas voa pela primeira vez no espaço
Ver artigo

“Em vez de um andar estático, onde pelo menos três pernas permanecem no chão ao mesmo tempo, o andar dinâmico permite momentos de pleno voo durante os quais todas as pernas se mantêm fora do chão”, explica o estudante que lidera o projeto, Hendrik Kolvenbach.

O jovem sublinha ainda que até muito recentemente, por questões ligadas à capacidade computacional e aos algoritmos de controlo necessários, era um enorme desafio replicar o modo de andar mais eficiente de vários animais, num robot.

As investigações até à data permitiram já perceber que este modo “saltitão” pode tornar mais eficiente a missão de exploração espacial de um robot e mais fluida a caminhada. A primeira preocupação foi dar altitude a estes saltos, para melhorar a velocidade da marcha e atualmente o SpaceBok consegue saltar cerca de 1,3 metros num ambiente simulado de gravidade reduzida, um teto que se pretende ultrapassar.

Outro desafio atual, admitem os investigadores, é encontrar uma forma segura de fazê-lo voltar ao chão depois de cada salto e é nisso que a equipa tem estado também a trabalhar. Nesta fase, o SpaceBok “comporta-se como uma mini-nave espacial”, diz outro membro da equipa, Alexander Dietsche.

Para resolver o problema, os investigadores adaptaram um sistema que também é usado nos satélites para controlar a orientação, e colocaram-lhe uma roda de reação, que impulsiona e amortece o contacto com o solo.

O projeto também pretendia gerir o consumo de energia. O grupo queria criar um veículo mais eficiente a circular no espaço, que não fosse menos eficiente no consumo energético. O problema foi resolvido integrando molas nas pernas do robot, que armazenam energia quando este pousa e a libertam quando descola.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.