É o chamado "problema de primeiro mundo", mas o responsável pede desculpa. Falamos do USB e da dificuldade que é conectá-lo à primeira. O normal, nestas ocasiões, é que tenha de girar o conector umas quantas vezes antes de o conseguir encaixar na porta correspondente. O criador do USB reconhece a dificuldade e diz "compreender a dor".

USB 3.2 leva velocidades de transferência de dados de até 20Gbps para os computadores
USB 3.2 leva velocidades de transferência de dados de até 20Gbps para os computadores
Ver artigo

Ajay Bhatt, líder da equipa da IBM que trouxe o USB para o mercado na década de 1990, revelou numa entrevista com a norte-americana NPR que tem a perfeita noção do quão irritante o USB pode ser para os utilizadores. Mas há uma justificação para isso. De acordo com o responsável, o problema seria facilmente resolvido caso o conector fosse reversível, tal como é agora o USB-C, mas, na altura, desenhá-lo reversível teria duplicado o valor de produção da tecnologia.

Bhatt reconhece que talvez houvesse uma melhor forma de construir a tecnologia, mas é impossível contrariar o facto de o USB ter-se tornado num dos conectores mais consensuais do mundo.

"Com base em todas as experiências que temos diariamente com o conector, teria de ser mais fácil utilizá-lo", reconhece Bhatt.

Atualmente já existem versões mais fáceis de utilizar, como o reversível USB-C, mas esta ainda não beneficia com um nível de adoção tão transversal quando o USB tradicional. Até lá, valha-nos a paciência.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.