Um recente relatório da Check Point, especialista em cibersegurança, revelou que durante 2018, os ataques de malware focaram-se sobretudo no criptomining, afetando um total de 37% das organizações a nível global. O estudo refere que nos últimos 12 meses, 20% das empresas a nível mundial continuam a ser afetadas por ataques de criptomining e toda as semanas 33% continuam a ser vítimas de malware com origem nos dispositivos mobile. O ransonware registou apenas 4% dos ataques feitos por malware, referindo a empresa que esta técnica está em declínio.

No geral, diariamente são registados 20% de ataques de criptomining, destacando a sofisticação dos hackers a explorar vulnerabilidades em perfis e invadir sandboxes, assim como produtos de segurança, para aumentar as taxas de infeção.

tek Criptomining

Sobre os ataques através do mobile, a especialista afirma que os três principais tipos de malware focaram-se em sistemas operativos Android, tendo assistido durante 2018, a diversos casos em que o software malicioso estava pré-instalado nos dispositivos. Também houve diversos casos em que as aplicações disponíveis nas lojas digitais de aplicações eram malware disfarçado.

Também há apps para iPhone com malware Golduck
Também há apps para iPhone com malware Golduck
Ver artigo

A especialista refere ainda que os botnets, que são utilizados para diferentes propósitos, ficaram no terceiro lugar dos ataques mais utilizados. 18% das organizações foram atacadas através do uso de bots com o propósito de lançar ataques DDoS e disseminar outros tipos de malware. Foi registado 49% do uso de bots nos ataques DDoS efetuados em 2018.

No que diz respeito aos ataques em Portugal, a Check Point refere que o malware com maior impacto foi o Coinhive, contando com 46,8% de empresas infetadas. Seguem-se o Criptoloot com 38,43% e o isecoin com 26,57% dos casos.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.