Anunciados em 2017, os planos da Neuralink parecem saídos diretamente de um filme de ficção científica. Apesar de já se conhecerem algumas das proezas feitas, o projeto tem estado envolto numa espécie de mistério. Recentemente, Elon Musk deu a conhecer que vão ser reveladas mais novidades sobre o progresso que está a ser feito já no próximo dia 28 de agosto.

Na Internet já circulam vários rumores que indicam que a Neuralink se prepara para anunciar os testes da tecnologia de interfaces capazes de ligar diretamente o cérebro ao computador em humanos. Se tudo correr como Elon Musk planeia, a empresa poderá fazer mesmo uma demonstração ao vivo de como a tecnologia consegue “ligar” a atividade dos neurónios.

Elon Musk quer “juntar” cérebro humano e IA e parece estar no bom caminho   
Elon Musk quer “juntar” cérebro humano e IA e parece estar no bom caminho   
Ver artigo

Entre as mais recentes novidades do sistema que está a ser desenvolvido, Elon Musk confirmou no Twitter que será possível ouvir música a partir dos implantes colocados no cérebro, embora sem adiantar mais pormenores. O empresário tinha também dado a conhecer que os chips vão permitir ouvir sons outrora impossíveis de captar por ouvidos humanos.

Recorde-se que, em outubro de 2019, a Neuralink conseguiu pôr um macaco a controlar um computador com o seu cérebro. Na altura, a empresa já previa o início dos testes em humanos antes do final de 2020. No mesmo ano, a Neuralink avançou que estava a testar cerca de 1.500 elétrodos em ratos.

Como ligar o cérebro a um computador?

No centro da tecnologia desenvolvida está um pequeno microchip que poderá ser implantado atrás da orelha, ligado a fios que têm cerca de um quarto do diâmetro do cabelo humano contendo elétrodos que se espalham pelo cérebro humano.

O objetivo é recolher a informação e enviá-la para o chip de 4x4mm, que servirá como recetor na superfície do crânio. A partir daí passará a comunicar com dispositivos no exterior, colocados atrás da orelha e alimentados por uma bateria, via Bluetooth.

Neuralink de Elon Musk pretende colocar sensores no cérebro humano no próximo ano
Neuralink de Elon Musk pretende colocar sensores no cérebro humano no próximo ano
Ver artigo

Em 2019, Elon Musk referia num evento de apresentação da Neuralink que o microchip contém cerca de 10.000 elétrodos, salientando que o número era mil vezes superior àquele que existe nas interfaces utilizadas para o tratamento da doença de Parkinson.

Em humanos, a tecnologia poderá ser usada para tratar distúrbios cerebrais ou então para ajudar a recuperar a capacidade de ver, falar e ouvir. O magnata deu ainda a conhecer que a tecnologia “abre a porta” à possibilidade de duas pessoas comunicarem “telepaticamente” através dos respetivos chips ou até de controlarem dispositivos ao seu redor com a mente.

Mas para chegar ao seu objetivo final, a Neuralink terá de passar por múltiplos desafios e pelo escrutínio de reguladores como a norte-americana Food and Drug Administration (FDA), uma vez que o sistema é considerado como um dispositivo médico. A empresa terá de demonstrar que a tecnologia é segura e eficaz através de vários testes clínicos, um processo que poderá “atrasar” a sua chegada ao mercado.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.