A IBM anunciou recentemente, durante a exposição developerWorks Live, que decorreu em Nova Orleães, uma nova iniciativa composta por software e serviços, destinada a apoiar os clientes a lidarem com os custos e a complexidade crescentes de manter aplicações obsoletas e lançadas há décadas. Este tipo de programas corre 70 por cento das principais operações de negócios do mundo, incluindo grande parte das transacções efectuadas com cartões de crédito e a venda de acções.

Designados de "código-esparguete" pela indústria informática dado o código fonte ter sido alterada inúmeras as vezes, alguns destes programas lidam diariamente com cerca de 30 mil milhões de transacções básicas de negócio, como processos de manufactura e sistemas de pagamento de salários. Na sua maioria, trata-se de aplicações escritas em Cobol ou Fortran, remontando a 20 anos atrás. "As empresas não se podem dar ao luxo de substituir aplicações antigas que correm as suas actividades diárias, mesmo que a manutenção de legacy systems
custe 80 cêntimos por cada dólar do orçamento médio em software",
refere Kerrie Holley, engenheiro da IBM Global Services.

Os serviços que a IBM anunciou em conjunção com esta iniciativa foram
concebidos com base no trabalho da sua divisão Global Services efectuou no seio da própria companhia com a sua infra-estrutura de tecnologias de informação. Deste modo, a empresa passou de 25 mil aplicações para cinco mil, reduziu o número de data centers de 155 para 11 e diminuiu as suas redes de 31 para uma.

Os dois novos serviços chamam-se Application Portfolio Management e Legacy Transformation. O primeiro permite que os consultores da IBM avaliem todas as aplicações de uma organização e efectuem recomendações sobre quais deve manter, abandonar ou alterar. O Legacy Transformation inclui vários serviços modulares que podem ser utilizados individualmente ou em combinação para renovar, integrar, migrar e colocar aplicações na Web, o que permite que as companhias partilhem dados de negócio a nível interno e com fornecedores e clientes.

Em simultâneo, a IBM também lançou um novo conjunto de software
WebSphere que se destina a acelerar o desenvolvimento ao simplificar os
conhecimentos necessários para criar aplicações baseadas em serviços Web, integrando software tradicional. WebSphere Studio Enterprise Developer 5.0 e WebSphere Host Access Transformation Server são os nomes destas duas ferramentas concebidas para simplificar a ligação entre aplicações de mainframes e minicomputadores a outros programas utilizando os protocolos da Internet.

Desta forma, os programadores poderão transformar aplicações executáveis por linha de comando correndo em servidores zSeries da IBM para interfaces gráficos clicáveis fornecidos através de browsers da Web. Isto irá representar uma redução do tempo de programação em mainframes mediante o recurso a um template para migrar para a Web milhares de aplicações de "ecrã cinzento" tocando numa única tecla, em vez de ter que as converter manualmente uma a uma.

Notícias Relacionadas:
2003-04-11 - IBM
organiza Dia Linux sobre estratégia para o sistema operativo aberto

2001-03-14 - IBM
lança nova versão de WebSphere para servidores e mainframes

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.