A Cisco Systems e a Symantec detetaram que meio milhão de routers de vários países foram infetados e, antes de tornar pública a sua descoberta, alertaram as autoridades norte-americanas e da Ucrânia sobre o malware que apelidaram de VPNFilter e que tem como alvo dispositivos da Linksys, MikroTik, Netgear , TP-Link e QNAP.

Como a maioria dos dispositivos infetados estão na Ucrânia, o Serviço de Segurança daquele país (SBU) diz que o ataque pode ter a ver com a final da Liga dos Campeões Europeus, que acontece em Kiev no próximo sábado, dia 26, e aponta o dedo à Rússia.

Reino Unido culpa Rússia de estar na origem do ataque NotPetya
Reino Unido culpa Rússia de estar na origem do ataque NotPetya
Ver artigo

"Especialistas em segurança acreditam que a infeção de hardware no território da Ucrânia é uma preparação para outro ciberataque pela Rússia para destabilizar a situação durante a final da Champions League", afirmou o SBU em comunicado.

A Cisco tem vindo a investigar a ameaça há vários e meses e também acredita que Moscovo está por trás desta campanha. Segundo um dos seus investigadores, o software malicioso tem partes de código iguais a outros malwares usados em ciberataques atribuídos à Rússia.

O Kremlin já veio negar a alegação de que estaria a planear um ataque cibernético contra entidades estatais e empresas privadas ucranianas antes da final da competição de futebol, noticia a Reuters.

O VPNFilter pode ser usado para várias tipologias de ataque, entre as quais para espionagem, interferências nas redes de comunicações ou para lançar um ataque destrutivo como o NotPetya.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.